Babbel Logo

Speak a new language with confidence. Try it for free!

Alfabetos cirílicos: uma porta de entrada para mais de 50 idiomas

Aprender o alfabeto cirílico pode ser a porta de entrada para mais de 50 línguas e suas culturas. Apesar de à primeira vista parecer um código indecifrável, é muito mais simples do que parece – e até divertido!
Author's Avatar
Alfabetos cirílicos: uma porta de entrada para mais de 50 idiomas

Algumas pessoas dizem que os melhores lugares para passar o Ano-Novo na Europa são Paris ou Londres. Mas, em vez do Sena ou do Tâmisa, que tal celebrar com o rio Dniepre à frente dos olhos nesta data tão especial? Kiev tem o encanto e a exuberância de qualquer outra capital europeia e não é tão fria assim.

Foi o que nós fizemos. Quando chegamos, o termômetro marcava 5 ºC, bem mais positivos do que a temperatura que o casaco de neve recém-comprado estava preparado para aguentar aguentar. Apesar de eu estar habituado ao norte da Europa, admito que ainda tenho medo do frio, que para os lados da Rússia se acentua ainda mais. No entanto, das diferenças mais marcantes no Leste Europeu, a mais divertida para quem gosta de idiomas é o alfabeto cirílico. Decifrá-lo nos permite uma maior aproximação com a língua e a cultura da Ucrânia e de vários países.

Seja qual for a sua ambição nesta viagem – por questões históricas, culturais, de negócios, ou apenas lazer – para aproveitar uma cidade com tanta oferta gastronômica e opções noturnas, é necessário fazer um pequeno dever de casa antes de viajar: ler o alfabeto cirílico. Essa tarefa é muito mais simples do que parece e vai ajudar a decodificar tudo aquilo que se vê nas ruas das cidades, além de abrir portas, literalmente. Quer encontrar seu Хостел (Hostel)? A diversão começa aqui!

Um pouco de história

O alfabeto foi criado por São Cirilo e São Metódio, dois missionários cristãos bizantinos. O primeiro deu o nome ao alfabeto. O uso do alfabeto cirílico nas línguas eslavas está associado à questão religiosa, uma vez que foram os monges bizantinos que contribuíram para sua criação e expansão. Os povos eslavos ortodoxos usam o cirílico, Bulgária, Macedónia, Sérvia, Montenegro, Belarus, Ucrânia e Bósnia (junto ao alfabeto latino, que é mais utilizado).

Em contraponto, as línguas eslavas, sob o domínio da tradição católica, usam o alfabeto latino, como os croatas, eslovenos, polacos, tchecos e eslovacos. Também pelo domínio político e cultural da Rússia, muitos outros países usam esse alfabeto, como o Cazaquistão, o Quirguistão, a Mongólia, o Tajiquistão e também na Moldávia (país onde se fala um idioma neolatino, tal como o português, ou o francês).

Mas, voltando a Kiev… Depois de ter feito o dever de casa e ter estudado um pouco a correspondência entre as letras do alfabeto latino e o cirílico, um mundo novo que antes parecia ser indecifrável se revelou. A equivalência entre as letras de ambos é muito mais simples (e útil!) do que qualquer viajante possa imaginar…

Como chegar lá

Assim que chegamos ao aeroporto e pegamos o transporte para o centro da cidade, facilmente lemos autobus e perceberemos que se trata do ônibus. Desde o começo, começamos a entender a grafia das placas da cidade, que vai se
tornando menos misteriosa. Sabemos que Биг Бургер se lê Big Burger, капучино – cappuccino, Банк – banco, mas outras obviamente não são tão fáceis.

Podemos encontrar letras sem equivalência direta, como o Ч (transcrito como “ch”, mas que soa como “tch”) o Ц (ts), mas que, no geral, funciona muito bem para qualquer leigo. Também existem muitos estrangeirismos que derivam do francês ou do inglês. Na palavra ресторан, o p é equivalente ao nosso r e o c à letra s, então lê-se restoran e já dá para entender que ali tem um restaurante.

Circulando

Na praça Maidan, palco da história política recente, podemos ver um cartaz gigante que cobre toda a fachada da Kyiv House Trade Union, danificada com fogo inimigo durante a Revolução da Dignidade. No entanto, mesmo já conseguindo decifrar as letras em cirílico, só podemos entendê-lo porque, além da frase escrita em ucraniano, na lateral, a mesma frase se encontra, em inglês, na fachada principal: Freedom is our religion / Свобода – це наша релігія.

Essa frase está logo acima do desenho de correntes que se arrebentam, uma clara apologia à recém-liberdade daquele povo das mãos do imperialismo soviético, que, hoje, toma seus passos em direção a um futuro independente. Aliás, sabe aquela famosa rede de fast-food americana cujo logotipo, ironia das ironias, tem as mesmas cores da ex-bandeira soviética? Um lanche Big Mac custa 2,15 euros.

Mas mesmo que tenha apelo às suas carteiras, não se deixem iludir: os restaurantes locais têm ótimos serviços e preparam comidas tradicionais deliciosas pelo mesmo preço, exatamente como nossa guia no Free Walking Tour, Anaway (como a própria se apelidou, entre sorrisos), nos avisou…

Voltando ao Big Mac, existe um índice econômico, criado pela revista The Economist, em 1986, que se baseia no preço do tal lanche para fazer uma comparação de seu valor em relação ao poder de compra em diferentes países. A Ucrânia é o país onde este é mais barato, dentro de uma lista de 48 países. Porém, não se deixem iludir, o salário médio oficial é cerca de 200 euros.

Neste ou em qualquer outro ресторан, na hora de pagar só existe a cobrança escrita em ucraniano na conta, com alfabeto latino. Isso também se dá nos transportes públicos. Se você, assim como eu, gosta de fugir dos táxis, é uma boa opção. Também dá para entender as direções e as indicações dos locais nos mapas do metrô, e ter uma noção do lugar em que se está sem ter que recorrer ao Google a toda hora.

E, mesmo que os táxis sejam bastante baratos, experimente a aventura de entrar no метро (lê-se metro) e descobrir estações incríveis, como a de Arsenalna, até hoje a mais profunda do mundo. Dá até uma sensação de que se está fazendo uma viagem ao centro da Terra! Felizmente, nela os nomes das estações são escritos também no alfabeto latino, mas se preparem porque de lá você chega a outros locais onde só o cirílico voltará a predominar. Boa sorte!

 

Você gostaria de aprender russo?

Comece com a Babbel
Compartilhar:

Artigos recomendados

As dores e delícias de aprender russo

As dores e delícias de aprender russo

Já pensou em aprender russo? O tradutor e jornalista Irineu Franco Perpétuo e linguistas internacionais falam da sua experiência ao estudar esse idioma.
ESCRITO POR Julie Krauniski
Minhas palavras favoritas em russo

Minhas palavras favoritas em russo

Russo é um idioma duro, ríspido e feio – segundo o antigo clichê! Mas na verdade, a língua russa tem várias palavras lindíssimas. Aqui, você encontrará uma coletânea delas.
ESCRITO POR Katrin Sperling
Como passar 24 horas em Oslo – um fim de semana na capital da Noruega

Como passar 24 horas em Oslo – um fim de semana na capital da Noruega

Nossa colaboradora Flávia foi até a Noruega descobrir o que o país tem de tão especial que fascina muitos pelo mundo afora. Confira no artigo as delícias da capital Oslo.
Author Headshot
Pedro Monterroso
Pedro Monterroso, nascido em 1984 e natural de Amarante, uma pequena cidade no norte de Portugal. Vive em Berlim, é pedagogo e trabalha com a língua portuguesa, a qual considera a sua mátria. É formado em Sociologia e esta ciência é um dos seus maiores fascínios. O seu maior sonho é poder voar como o Peter Pan.
Pedro Monterroso, nascido em 1984 e natural de Amarante, uma pequena cidade no norte de Portugal. Vive em Berlim, é pedagogo e trabalha com a língua portuguesa, a qual considera a sua mátria. É formado em Sociologia e esta ciência é um dos seus maiores fascínios. O seu maior sonho é poder voar como o Peter Pan.