“Aprender um novo idioma me permitiu ver o mundo a partir de outras perspectivas. (…) Posso ouvir como as pessoas se comunicam, entender o que elas dizem no trem, ler jornais etc. Tudo isso é muito enriquecedor.”

Nesta entrevista com Daniel, publicitário, Brasileiro e trilíngue, atualmente morando em Londres e trabalhando para o Google, ele nos conta como o aprendizado de vários idiomas lhe abriu portas e revelou o mundo sob uma nova perspectiva.
Escrito Por Babbel
02/09/2020
“Aprender um novo idioma me permitiu ver o mundo a partir de outras perspectivas. (…) Posso ouvir como as pessoas se comunicam, entender o que elas dizem no trem, ler jornais etc. Tudo isso é muito enriquecedor.”

Inglês no trabalho, alemão e português em casa: na rotina de Daniel Nascimento, esses três idiomas estão sempre presentes. Na entrevista a seguir, ele nos conta um pouco do seu dia a dia trilíngue — e mostra como seu interesse por idiomas transformou sua vida.   

O entrevistado aqui retratado foi pago para compartilhar sua história conosco / Conteúdo publicitário

IDIOMAS E VOCÊ: O BÁSICO

Olá, Daniel. Será que podemos começar esta entrevista com uma breve apresentação?

Claro. Bom, meu nome é Daniel, sou publicitário e atualmente lidero uma equipe de marketing na Google, em Londres.

Que idioma você quis aprender quando era mais jovem? O que inspirou você?

O primeiro idioma que aprendi foi o inglês. Sendo hoje o idioma mais falado no planeta, A importancia da lingua inglesa e inegável, Tanto para o dia-a-dia, como nos negócios. Além das aulas no colégio, pude frequentar um curso particular. Como minha família sempre detestou ver filmes dublados, tive contato com a língua inglesa desde muito cedo. Além disso, duas tias minhas viajavam muito. Uma delas já havia feito um intercâmbio na Inglaterra e falava inglês fluentemente. A outra falava muito bem francês. Essas tias são como mães para mim — e as histórias delas sempre me inspiraram.

Quantos idiomas você aprendeu? Qual foi o mais difícil? E qual foi o mais fácil?

Falo três idiomas fluentemente: inglês, português e alemão. Não sei se conseguiria dizer qual foi o mais difícil de aprender, pois aperfeiçoei meus conhecimentos em diferentes contextos. O inglês é um idioma com o qual sempre tive contato. No Brasil somos muito influenciados pela cultura americana, os filmes e as séries, então você já é meio que pré-programado sobre a importância da língua inglesa. Já o alemão eu aprendi durante um intercâmbio que fiz na Alemanha, quando tinha 18 anos. Embora não se trate de uma língua muito fácil, acredito que a experiência de morar na Alemanha, somada ao fato de eu ter começado a aprender relativamente cedo, tenha me ajudado a desenvolver uma conexão emocional com o idioma. Me sinto em casa quando falo alemão! Depois disso, morei durante seis anos na Califórnia e estou há 12 no Reino Unido. Ou seja, há quase 20 anos vivo em um ambiente anglófono. Falar inglês é instintivo para mim.

Você está aprendendo algum idioma agora? Se sim, qual?

Tenho muito interesse pelo espanhol e tento estudar sempre que possível. Infelizmente, meu progresso tem sido meio lento. Afinal, com duas filhas gêmeas em casa, o trabalho… Sinto que preciso me dedicar mais.

IDIOMAS E SEU TRABALHO

Como você descreveria a relação de sua vida profissional e sua vida pessoal? Algum idioma desempenha um papel nelas?

Idiomas têm um grande papel tanto na minha vida pessoal como na minha vida profissional. Por trabalhar com comunicação, reconheço a importância de saber articular ideias de forma clara. Além do mais, por causa da minha formação em ciências humanas, adoro um debate! Adoro conversar — e me fazer entender é fundamental para mim. Falo alemão com meu marido, português com minhas filhas e inglês com meus amigos. Ou seja, utilizo os três idiomas o tempo todo, todo dia, de acordo com cada circunstância. 

“Idiomas têm um grande papel tanto na minha vida pessoal como na minha vida profissional. Por trabalhar com comunicação, reconheço a importância de saber articular ideias de forma clara.”

Quando se trata de falar outro idioma no trabalho, é importante ser fluente ou basta saber se expressar? 

Acho importante ter um certo nível de fluência. Como os idiomas — e a linguagem, de modo geral — estão em constante evolução, me parece impossível que alguém tenha domínio completo de uma língua. Eu mesmo aprendo palavras novas diariamente. Alguns dicionários online incluem uma função muito interessante chamada “palavra do dia”, uma ótima maneira de expandir o vocabulário… Enfim, saber se comunicar bem, com precisão, compreendendo as nuances do idioma e o contexto cultural em que ele é falado, é de extrema importância. Mas, ao mesmo tempo, não vejo problemas em cometer pequenos erros de gramática na hora de escrever um e-mail, por exemplo. Isso acontece.  

Todo mundo sabe que o humor é uma ferramenta poderosa na hora de quebrar o gelo ou mesmo fechar negócios. Aprender um novo idioma ajudou você nesse sentido? 

Com certeza! O mundo dos negócios também é influenciado por referências culturais. Uma piadinha bem feita, ou banter, como se diz na Inglaterra, ajuda a criar conexões mais pessoais, especialmente em um ambiente em que as interações se tornam cada vez mais remotas, feitas por telefonemas, videoconferências etc. Ontem mesmo, um colega de trabalho contou para a gente que comprou uma “cabaninha” de 80 metros quadrados na Califórnia. Na mesma hora, fiz uma brincadeira e disse que a “cabaninha” dele era maior do que muitos apartamentos em Londres ou Paris. Ele morreu de rir. Contada em português, essa piada parece não ter muita graça. Mas, no contexto da nossa conversa, foi uma excelente forma de quebrar o gelo. 

“O mundo dos negócios também é influenciado por referências culturais. Uma piadinha bem feita (…) ajuda a criar conexões mais pessoais.”

Você já fingiu entender algo que foi dito em outro idioma? O que aconteceu? Como você se sentiu? 

Talvez, quando era mais jovem. Hoje em dia, se não entendo alguma coisa, pergunto novamente, até entender. Mas reconheço que, para isso, precisei adquirir confiança na minha capacidade linguística. Não há problema algum em não entender o que foi dito. O problema é fingir que entendeu e depois ficar sem saber o que fazer. Além do mais, vale a pena reforçar que o fato de você estar aprendendo ou de saber falar outro idioma é algo muito bacana, um privilégio! É por isso que não devemos ter vergonha. Ninguém sabe tudo.

IDIOMAS E SUA VIDA

Você se lembra de quando fez sua primeira piada em outro idioma? Ou de quando percebeu ser “fluente”? Como você se sentiu? 

Não me lembro da primeira vez em que fiz uma piada em outro idioma, mas me lembro de quando percebi ser fluente. Foi durante uma discussão com um amigo na Alemanha. Na época, eu tinha uns 18 anos. Estávamos falando sobre um assunto sobre o qual tínhamos opiniões muito divergentes. Em um certo momento, a conversa ficou mais tensa e eu disse para mim mesmo: “Essa briga eu não vou perder”. Enquanto expunha meus argumentos, me dei conta de que estava discutindo em alemão. Foi muito legal! Acho que nossas habilidades linguísticas são realmente colocadas à prova quando precisamos discutir. Afinal, esses momentos podem ser muito tensos — e, dependendo do calor da situação, fica difícil parar para pensar e traduzir o que estamos tentando dizer.  

Tem algum erro que você sempre comete em outro idioma? Alguma palavra ou frase específica que você ame usar? 

Um grande amigo me disse uma vez: “Nunca tente se livrar do seu sotaque: ele faz com que você seja uma pessoa ainda mais especial, interessante”. Muita gente dá risada de mim na Alemanha quando falo a palavra Müll (lixo). A pronúncia desse maldito trema sempre me pega! Em inglês, sempre engasgo na hora dizer two (dois) e iron (ferro). Por mais que essas palavras sejam simples e por mais que eu viva há muito tempo Inglaterra, esse é o meu sotaque — e eu estou em paz com ele. 

Você alguma vez sonhou em outro idioma? 

Claro. Eu geralmente sonho no idioma que usei mais naquele dia — ou no idioma mais relacionado a um certo contexto. Por exemplo, quando o sonho tem a ver com meu trabalho, o idioma costuma ser o inglês. A importancia do ingles no trabalho, tanto aqui em Londres como em qualquer lugar e gigantesca, por isso essa língua está presente constantemente na minha vida, inclusive nos meus sonhos. Se se trata de uma situação em que estou com minhas filhas, o sonho é em português. 

“Aprender um novo idioma me permitiu ver o mundo a partir de outras perspectivas. (…) Posso ouvir como as pessoas se comunicam, entender o que elas dizem no trem, ler jornais etc. Tudo isso é muito enriquecedor.”

Aprender um novo idioma mudou a maneira como você se vê no mundo? Como?   

Totalmente. Aprender um novo idioma me permitiu ver o mundo a partir de outras perspectivas. Por exemplo, é possível ir para a Alemanha e se limitar apenas a situações em inglês. A importancia da lingua inglesa na Alemanha para quem lá reside naturalmente nao e tao grande assim como em outros países falantes deste idioma, mas saber falar Inglês e uma mão na roda em qualquer país do mundo, mas claro que saber falar a língua local não tem nem comparação. Por isso, a partir do momento em que comecei a falar alemão fluente, minha experiência se transformou: posso ouvir como as pessoas se comunicam, entender o que elas dizem no trem, ler jornais etc. Tudo isso é muito enriquecedor. No Brasil, conheço pessoas que dizem que os alemães parecem rudes. Acho que essa impressão se deve ao fato de essas pessoas não saberem falar alemão. Quando aprendemos um novo idioma, aprendemos também a reconhecer como os outros se comunicam, o tom da linguagem etc. Para mim, os alemães parecem ser muito fiéis, confiáveis e amigáveis.

IDIOMAS E POSSIBILIDADES 

Se você pudesse fazer uma mágica e instantaneamente aprender outro idioma, qual seria? Se você pudesse voltar no tempo e dar um conselho a você mesmo sobre como aprender um novo idioma, o que você diria? 

Posso escolher dois idiomas? O primeiro seria o tailandês, afinal, minhas filhas nasceram de uma barriga de aluguel em Bangkok. Passei quatro meses por lá e tenho uma curiosidade enorme pela cultura da Tailândia. O segundo idioma seria o chinês, tão importante no contexto internacional de hoje em dia, mas muito difícil de aprender. Se eu ja nao falasse inglês fluentemente, definitivamente esse seria o primeiro idioma que eu iria escolher para aprender instantaneamente. A importancia da lingua inglesa no dia-a-dia, em viagens, no trabalho, enfim, por onde você passa, na minha opinião tornou este idioma o mais importante, e deveria ser o primeiro passo na jornada da evolução pessoal e profissional de qualquer pessoa! Quanto ao conselho para mim mesmo… Acho que eu fiz muito bem em começar a aprender cedo. Mas eu diria para estudar espanhol de verdade, explorar o que a América Latina tem a oferecer, sua riqueza linguística e cultural.


Daniel Nascimento nasceu em Belo Horizonte, é casado com um alemão e tem duas filhas gêmeas, Ana e Sofia. Depois de morar em Düsseldorf e Weimar, na Alemanha, e San Francisco, nos Estados Unidos, está radicado em Londres, desde 2008. Publicitário, já esteve à frente do departamento de marketing de empresas como Microsoft, McCann Worldgroup e Mars. Atualmente, lidera a equipe europeia de marketing da Google. Sempre que pode, aproveita para passear pelo mundo e mostrar suas belezas naturais e delícias culinárias às filhas.

MELHORE O SEU INGLÊS E CONSIGA AQUELA VAGA!
BAIXE O APLICATIVO DA BABBEL