Aprendendo uma língua por amor: sua língua é sexy ou não?

Nelson Mandela não poderia ter dito melhor: “Se você falar com um homem numa língua que ele entende, a mensagem entra em sua cabeça. Se você falar com ele em sua própria língua, a mensagem entra em seu coração.” Provavelmente, ele se referia a coisas maiores que romances de férias, mas bom conselho é bom […]
Author's Avatar
ESCRITO POR Samuel Dowd
Aprendendo uma língua por amor: sua língua é sexy ou não?

Nelson Mandela não poderia ter dito melhor:

Se você falar com um homem numa língua que ele entende, a mensagem entra em sua cabeça. Se você falar com ele em sua própria língua, a mensagem entra em seu coração.

Provavelmente, ele se referia a coisas maiores que romances de férias, mas bom conselho é bom conselho.

Nós aqui da Babbel compartilhamos dessa mentalidade e quisemos nos apronfundar um pouco. Certamente, vale a pena falar a língua do amor, mas qual é a língua do amor? Inicialmente, nós pensamos em dar nossas dicas de como obter sucesso em matéria de coração multilíngue, mas não parecia ser a coisa certa. Afinal, a beleza está nos olhos de quem vê e nossa opinião por si só não iria contribuir muito – nós precisávamos de um método científico e ao mesmo tempo sexy.

Então, nós pedimos ajuda para alguns amigos que também usam a Babbel. Depois de mais de 14.000 respostas com opiniões sobre o amor e a língua, nós analisamos os números para apresentar a você os fatos concretos do amor plurilíngue.

Quelle surprise

Sinceramente, nós já esperávamos: os falantes de francês têm, de longe, a língua mais sexy, o sotaque mais sexy e também um número considerável de palavras mais sexys. 90% de nossos usuários disseram que aprenderiam uma língua por amor, e parece que muitos deles estavam se referindo ao francês.

Em termos de números, 34.7% dos participantes da pesquisa acham que o francês é a língua mais sexy entre as que oferecemos. E na Espanha, quase metade dos entrevistados tem a mesma opinião. Em todos os países pesquisados, o francês foi a língua estrangeira mais votada ou a segunda mais votada.

Essa notícia é um ótimo estímulo para os que estão aprendendo francês. Mas se você é falante nativo de francês, a situação é ainda melhor: o sotaque francês provou ser imensamente popular, independente do idioma que se fala. De fato, 53% dos usuários da Alemanha elegeram a pronúncia inimitável de seus vizinhos francófonos como a sua favorita absoluta.

O vocabulário francês também parece ter um certo charme. Entre as respostas comuns sobre as palavras e frases estrangeiras mais sexys, encontram-se inúmeras variações de amour, je t’aime e chérie. Nossos usuários italianos, em particular, já demonstraram saber utilizar – digamos – criativamente os seus conhecimentos de francês.
 

Os vencedores:

Na corrida pelo idioma mais sexy, o trio român(t)ico composto por francês, italiano e espanhol, nesta ordem, mostrou, com grande vantagem, ser o mais popular. Talvez seja pelo temperamento latino ardente, pelas longas noites de verão e o Mediterrâneo, La Dolce Vita
 
Pelo que sabemos, é alguma coisa na água. Qualquer que seja a razão, essas línguas têm um “quê” realmente sexy. E pelo visto, cada uma delas possui um sotaque igualmente atraente. Entretanto, ao analisar o que nossos usuários disseram, surge um novo concorrente: o inglês.
 
NNão podemos dizer, se trata-se do inglês da extremidade leste de Londres ou da extremidade sul dos EUA. Mas sabemos que o sotaque que as pessoas mais associam aos falantes anglo-americanos é sexy. Aliás, sexy o suficiente para rebaixar o espanhol do pódio e reivindicar seu lugar como o terceiro sotaque mais sexy do mundo!
 
Se o francês é o idioma do amor, então talvez o inglês seja sua língua franca…

O importante é participar.

Logicamente, todo esforço para descobrir quais idiomas são sexys, implica também em revelar, de certa forma, quais não são. Nós odiamos ser portadores de más notícias, mas alguns de vocês terão que se garantir somente com sua própria beleza.
 
Sejamos breves: os idiomas e sotaques que nossos entrevistados consideram os “menos sexys” (ou melhor, “nada sexys”, ou pior) são os seguintes: chinês, alemão e russo. Exatamente, nesta ordem.
 
Não sabemos bem qual a ligação entre estes idiomas ou o que as pessoas têm contra eles, mas de qualquer forma, nós lamentamos.

Se serve de consolo, você sempre pode aprender um idioma mais sexy com a Babbel.

Artigos recomendados

Estudo acadêmico revela que, ao utilizarem a Babbel, estudantes de idiomas motivados conseguem melhorar suas habilidades de conversação, bem como seus conhecimentos de gramática e vocabulário

Estudo acadêmico revela que, ao utilizarem a Babbel, estudantes de idiomas motivados conseguem melhorar suas habilidades de conversação, bem como seus conhecimentos de gramática e vocabulário

Apesar do sucesso comercial e da crescente presença dos aplicativos de ensino de idiomas, ainda há pouca informação disponível sobre os reais resultados obtidos por quem aprende com esse método de aprendizado. A Babbel se preocupa em oferecer transparência sobre como estudantes que se dedicam podem melhorar suas habilidades de conversação. É por isso que […]
ESCRITO POR Zach Sporn

Aprenda francês como você aprenderia na França

Aprendiz de idiomas e professora entusiasta, Caroline adora brincar com línguas e compartilhar seus métodos favoritos para alunos autônomos. Ela aprendeu inglês e alemão na escola, russo sozinha em Moscou e agora está aprendendo italiano com a Babbel, onde trabalha como editora de cursos em nossa equipe de didática. Depois de ter ensinado francês no […]
Como a Babbel pode complementar cursos tradicionais de idiomas e promover a integração de pessoas em outros países

Como a Babbel pode complementar cursos tradicionais de idiomas e promover a integração de pessoas em outros países

Zach trabalha na equipe de Comunicação da Babbel, estabelecendo parcerias entre a Babbel e  projetos de pesquisa com dedicados linguistas, bem como acadêmicos de diferentes disciplinas. Abaixo ele descreve um estudo de caso conduzido recentemente com uma equipe de pesquisa da Universidade de Gotemburgo, na Suécia. Os resultados do estudo demonstram como o uso de […]
ESCRITO POR Zach Sporn
Author Headshot
Samuel Dowd
Durante seu bacharelado em escultura e seu mestrado em filosofia e artes temporais, Samuel Dowd viveu entre a Inglaterra e a Irlanda. Atualmente, ele trabalha como artista, cineasta, jardineiro, escritor e editor da Babbel. Sua paixão por experimentar e aprender coisas novas (de arquitetura a agricultura orgânica, passando por literatura e música em diversos idiomas) o levou a se aventurar pelo mundo. Samuel já morou na Finlândia, na Nova Zelândia, na Áustria, na Croácia e, desde 2013, em Berlim. Ele traduziu diversos trabalhos literários (um tanto estranhos, porém maravilhosos) para o inglês e ultimamente tem se esforçado em aumentar o tempo que consegue passar debaixo d'água sem respirar nem pensar em nada, em nenhum idioma.
Durante seu bacharelado em escultura e seu mestrado em filosofia e artes temporais, Samuel Dowd viveu entre a Inglaterra e a Irlanda. Atualmente, ele trabalha como artista, cineasta, jardineiro, escritor e editor da Babbel. Sua paixão por experimentar e aprender coisas novas (de arquitetura a agricultura orgânica, passando por literatura e música em diversos idiomas) o levou a se aventurar pelo mundo. Samuel já morou na Finlândia, na Nova Zelândia, na Áustria, na Croácia e, desde 2013, em Berlim. Ele traduziu diversos trabalhos literários (um tanto estranhos, porém maravilhosos) para o inglês e ultimamente tem se esforçado em aumentar o tempo que consegue passar debaixo d'água sem respirar nem pensar em nada, em nenhum idioma.
Qual idioma você gostaria de aprender?