Qual idioma você gostaria de aprender?Right Arrow

Como eu revolucionei minha aula: o uso da Babbel como suporte para o método de sala de invertida

Cristina Pérez Muñoz é uma especialista em comunicação e ensino de idiomas da Universidade Fontys, na Holanda. Ela é licenciada em Espanhol e Inglês pela Universidade de Salamanca, e possui um mestrado em Educação. Cristina trabalhou como instrutora de idiomas na Espanha, no Reino Unido, na Romênia e na Holanda, em diversos ambientes de aprendizado, […]
Escrito Por Zach Sporn
Como eu revolucionei minha aula: o uso da Babbel como suporte para o método de sala de invertida

Cristina Pérez Muñoz é uma especialista em comunicação e ensino de idiomas da Universidade Fontys, na Holanda. Ela é licenciada em Espanhol e Inglês pela Universidade de Salamanca, e possui um mestrado em Educação. Cristina trabalhou como instrutora de idiomas na Espanha, no Reino Unido, na Romênia e na Holanda, em diversos ambientes de aprendizado, incluindo em escolas de Ensino Médio, cursos universitários e treinamentos empresariais. Ela ama viajar e aprender os idiomas dos lugares que ela visita ou em que mora.

Como professora de espanhol, uma das tarefas mais árduas e que tomam mais tempo é a correção da lição de casa dos alunos no começo de cada aula. Por um lado, os alunos precisam fazer a lição de casa para praticar o que aprenderam na sala de aula e fixar o conteúdo. É assim que o input dos alunos se transforma em algo que eles podem usar para produzir por conta própria – também conhecido como output – em um curto período de tempo.

Por outro lado, corrigir a lição de casa muitas vezes demanda um tempo de aula valioso que talvez fosse melhor usado para praticar a conversação. Este é um dilema que muitos professores de idiomas enfrentam: peço aos alunos que façam lição de casa ou não? Isso realmente agrega valor ao processo de aprendizagem? E principalmente: vale mesmo a pena?

Há alguns anos, comecei a ouvir sobre a metodologia da sala de aula invertida e fiquei curiosa com sua aplicação e possíveis implicações para o ensino de idiomas. Essa metodologia exige que os(as) alunos(as) aprendam a teoria em casa, de forma independente, deixando muito mais tempo de aula para praticar as habilidades que eles(as) podem desenvolver melhor em um ambiente estruturado e de apoio. Com a metodologia da sala de aula invertida, os(as) alunos(as) são expostos(as) a um novo conceito ou ideia antes de chegar à sala de aula, e então podem se concentrar em processar a aprendizagem – sintetizar, analisar e solucionar problemas – com professores(as) e colegas. Pode parecer bom demais para ser verdade, mas é uma nova forma de ensino possibilitada pelo amplo acesso à internet e por poderosas ferramentas de aprendizagem digital.

A metodologia da sala de aula invertida permite que os(as) professores(as) tenham um melhor aproveitamento do tempo de aula e melhorem os resultados da aprendizagem. Com essas vantagens em mente, eu comecei a procurar uma ferramenta de aprendizagem de idiomas que permitisse aplicar isso às minhas aulas.

Foi aí que eu pensei na Babbel. Eu estava usando o aplicativo para aprender holandês desde que me mudei para a Holanda. Depois de usar a Babbel por alguns meses, percebi que poderia ser uma ferramenta eficaz no contexto da  sala de aula invertida.

Eu queria testar o impacto dessa metodologia no processo de aprendizagem de idiomas e ver, em primeira mão, se ela poderia me ajudar a usar meu (precioso) tempo de aula de modo mais eficaz. Foi então que eu entrei em contato com a Babbel para iniciar uma parceria com a Universidade Fontys, onde atualmente dou aula de espanhol para iniciantes. Hoje algumas das minhas turmas usam a Babbel como uma ferramenta complementar para aprender espanhol.

Na prática, é bem simples: eu escolho um tema e os(as) alunos(as) completam as lições da Babbel relacionadas a ele – saudações ou como fazer pedidos em restaurantes, por exemplo – em casa. Na sala de aula, eles podem praticar o que aprenderam sozinhos(as). E, claro, se houver alguma dúvida relacionada à teoria, dou explicações adicionais e dou exemplos para ajudar a dominar os novos conceitos. Se a aula seguinte for sobre como ler o relógio, por exemplo, peço aos alunos que completem três lições do curso para iniciantes da Babbel: ¿A qué hora nos encontramos? 1, 2 e a revisão. Assim os alunos aprendem a teoria em casa e na sala de aula fazemos atividades de conversação, jogos e encenações onde eles(as) praticam o que aprenderam independentemente.

Os resultados não poderiam ser melhores. A velocidade de aprendizagem aumentou e os(as) alunos(as) se sentem mais à vontade para conversar em sala de aula. Não está claro se essa melhoria tem a ver  com o fato de a Babbel facilitar a construção de um vocabulário mais extenso e de forma mais independente ou se aprender novas estruturas e vocabulários em diferentes contextos ajuda a transferir o que eles(as) estudaram aplicando posteriormente na sala de aula. Mas uma coisa é certa: a leitura, a escuta, a fala e a confiança geral em se comunicar  claramente melhoraram.

Alguns dos meus colegas educadores podem pensar que os softwares de ensino de idiomas representam uma ameaça, e que os aplicativos de idiomas podem, um dia, substituir o ensino em sala de aula. Eu não poderia discordar mais. Como professora, acredito na adoção da tecnologia para o que ela faz de melhor: fornecer material relevante para quem quer aprender e aumentar o aproveitamento do tempo de prática do idioma. Isso significa que eu consigo usar mais tempo de aula para fazer o que faço melhor. Graças à sala de aula invertida com a Babbel, minhas aulas se tornaram mais eficientes, os(as) alunos(as) aprendem mais rápido e todos nós estamos contentes com a aprendizagem combinada que a ferramenta nos proporciona.

Author Headshot
Zach Sporn
Zach nasceu no bairro do Queens, em Nova York, mas já morou em Montreal, Budapeste e, há 6 anos, reside em Berlim. Na Babbel, sua função é facilitar o intercâmbio de conhecimento entre seus colegas e pesquisadores de diversas áreas acadêmicas, como linguística e economia. O que Zach gosta de ouvir? Muito rap dos anos 90, funk dos anos 80 e clássicos do soul.
Zach nasceu no bairro do Queens, em Nova York, mas já morou em Montreal, Budapeste e, há 6 anos, reside em Berlim. Na Babbel, sua função é facilitar o intercâmbio de conhecimento entre seus colegas e pesquisadores de diversas áreas acadêmicas, como linguística e economia. O que Zach gosta de ouvir? Muito rap dos anos 90, funk dos anos 80 e clássicos do soul.

Artigos recomendados

Fantasmas ao redor do mundo: Como diferentes culturas celebram seus mortos

Fantasmas ao redor do mundo: Como diferentes culturas celebram seus mortos

No texto a seguir, além de revisitar algumas tradições do Halloween de sua infância no condado rural de Somerset, na Inglaterra, Megan apresenta curiosidades que aprendeu com seus colegas de trabalho da Babbel.
Escrito Por Megan Toon
Dicas do usuário: como memorizar palavras em inglês (ou de qualquer outro idioma)

Dicas do usuário: como memorizar palavras em inglês (ou de qualquer outro idioma)

Nós perguntamos aos nossos usuários quais os métodos que eles usavam para memorizar as palavras aprendidas. Veja aqui o que eles responderam.
Escrito Por Babbel
Como criar um novo hábito de aprendizado

Como criar um novo hábito de aprendizado

Saber como criar um novo hábito de aprendizado é crucial para os seus objetivos de longo prazo. Veja como podemos ajudar a criar hábitos que mantêm a motivação no aprendizado regular de um idioma.
Escrito Por Babbel