Mostra de Cinema: explicamos as “quatro Suíças” para você entender o foco do festival

Acontece agora a 41ª edição da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, este ano, o foco do festival é a produção cinematográfica suíça. Desvendamos para você os quatro idiomas deste país tão diverso e rico culturalmente.
Mostra de Cinema: explicamos as “quatro Suíças” para você entender o foco do festival

Ilustrado por Victoria Fernández

De 19 de outubro a 1º de novembro, acontece a 41ª edição da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. Este ano, o foco do festival é a produção cinematográfica suíça. A seção traz longas contemporâneos, uma retrospectiva da obra de Alain Tanner e a exibição de curtas do animador Georges Schwizgebel.

Contudo, para entender o Foco Suíça, é preciso entender o país em si e seus idiomas. Explicamos as “quatro Suíças”, especialmente para os cinéfilos brasileiros:

Identidade Multilíngue

A identidade multilíngue da Suíça é um dos maiores patrimônios imateriais do país. É fascinante a forma como um país relativamente pequeno foi capaz de criar uma simbiose entre todos os seus quatro idiomas oficiais – alemão suíço, francês suíço, italiano suíço e romanche. Eles não carregam apenas identidades e culturas diferentes entre si, mas também são distintos de suas versões faladas na Alemanha, França e Itália.

A cultura de cada região é profundamente marcada pelo idioma. Quem desembarca de um trem em Genebra se sente em uma cidade tipicamente francesa. O cantão de língua italiana Ticino é repleto de piazzas e palacetes ao estilo italiano. Já as regiões alemãs não decepcionam quem imagina paisagens estereotipadas dos Alpes germânicos.

Alemão Suíço: a língua mais falada do país

A língua mais falada na Suíça é o alemão suíço, idioma de mais de 60% da população. Falantes do alemão padrão (Hochdeutsch) têm dificuldades para entender o alemão suíço (Schwyzerdütsch).

Os suíços, no entanto, aprendem o alemão padrão desde cedo na escola. Por isso, conseguem se comunicar com alemães, austríacos e outros falantes da língua sem problemas. Além disso, por não existir uma escrita universal dos vários dialetos, toda a comunicação escrita – leis, livros, jornais, etc. – é feita em alemão padrão. Isso explica por que a maioria dos suíços falantes de alemão chama o alemão padrão, ensinado na escola, de Schriftdeutsch (alemão escrito).

Produzido em alemão suíço, Mulheres Divinas (Die göttliche Ordnung), de Petra Volpe, é o destaque do Foco Suíça, da Mostra de Cinema. O filme, lançado este ano, concorre a uma vaga no Oscar.

Francês Suíço: o idioma de Genebra e Lausanne

O francês é o idioma da parte ocidental da Suíça, que é falado por cerca de 20% da população do país. As diferenças entre o francês suíço e o francês padrão, da França, são bem menores do que aquelas entre o alemão suíço e o alemão padrão.

Dessa região vem Alain Tanner, que terá sete filmes exibidos no Foco Suíça. Ele nasceu em Genebra, em 1929, e se tornou um dos mais importantes nomes do cinema moderno europeu ao protagonizar a renovação da cinematografia suíça.

Assista a um trecho de um de seus filmes, em francês, aqui: Messidor (1978), de Alain Tanner.

Italiano Suíço: a terceira língua mais falada

No sul da Suíça, ao longo da fronteira com a Itália, encontram-se os falantes de italiano suíço. São cerca de 350.000 pessoas que representam um pouco mais de 8% da população do país.
O italiano suíço, assim como o francês suíço, pode ser compreendido por qualquer italiano ou estudante da língua com facilidade. Ele difere do italiano padrão por causa dos “calques” – frases que soam como traduções literais do francês e do alemão. Por exemplo: em italiano, “carteira de habilitação” é patente. Porém, em italiano suíço, eles dizem licenza di condurre, que é uma tradução direta do francês permis de conduire.

Dica da Babbel na Mostra de Cinema: EMMA (2017), de Silvio Soldini.

Romanche

Por último, mas não menos importante, o quarto idioma nacional da Suíça é o romanche – com somente 37.000 falantes. Essa população vive nas regiões mais remotas e montanhosas do sudeste suíço. Isso explica, em parte, como essa língua românica – repleta de empréstimos do vocabulário e da sintaxe alemã – conseguiu sobreviver até o século 21.

Aprenda um novo idioma agora!

Comece com o aplicativo Babbel
Compartilhar:

Artigos recomendados

O que é que a Alemanha tem: Desbravamos a Suíça da Saxônia

O que é que a Alemanha tem: Desbravamos a Suíça da Saxônia

O que é que a Alemanha tem quando o assunto é natureza? Sarah e Vitor falam neste podcast sobre a Suíça Saxônia e o que é a praia de alemão. Aperte o play!
5 motivos para aprender alemão

5 motivos para aprender alemão

O alemão é uma língua difícil de aprender, e por esse mesmo motivo é muito gratificante quando você consegue dominar esse idioma. Além disso, falar alemão pode ampliar os seus horizontes. Quer descobrir como? Veja aqui 5 razões para aprender alemão.
10 frases em alemão para lá de úteis

10 frases em alemão para lá de úteis

Quais seriam as frases mais úteis em alemão, para poder se virar sem problemas na Alemanha? Aqui está o nosso top 10, para você sair falando com um nativo!
ESCRITO POR Thea Bohn
Author Headshot
Julie Krauniski
Julie Krauniski é jornalista por formação e Relações Públicas por opção. Graduou-se em Jornalismo pela PUC São Paulo e trabalhou durante 3 anos na Editora Globo. Em 2012 mudou-se para Berlim, pensando em aprender alemão e viajar pela Europa, mas acabou ficando de vez na cidade mais legal do mundo. Na capital alemã foi correspondente internacional, editora, gerente de conteúdo e hoje é RP na Babbel.
Julie Krauniski é jornalista por formação e Relações Públicas por opção. Graduou-se em Jornalismo pela PUC São Paulo e trabalhou durante 3 anos na Editora Globo. Em 2012 mudou-se para Berlim, pensando em aprender alemão e viajar pela Europa, mas acabou ficando de vez na cidade mais legal do mundo. Na capital alemã foi correspondente internacional, editora, gerente de conteúdo e hoje é RP na Babbel.