Retrato: Gianni Guaita, 100 anos em novembro – recordações do passado e a experiência com a Babbel

A série retratos dos usuários da Babbel traz pequenas passagens das vidas dos nossos usuários e suas razões para aprender um novo idioma. Se você quiser dividir sua história conosco, escreva-nos um comentário. Nesta edição, vamos apresentar um usuário muito especial: Gianni, de Florença. Este escritor de quase 100 anos de idade tem uma história […]
Author's Avatar
ESCRITO POR Mara Zatti
Retrato: Gianni Guaita, 100 anos em novembro – recordações do passado e a experiência com a Babbel

A série retratos dos usuários da Babbel traz pequenas passagens das vidas dos nossos usuários e suas razões para aprender um novo idioma. Se você quiser dividir sua história conosco, escreva-nos um comentário. Nesta edição, vamos apresentar um usuário muito especial: Gianni, de Florença. Este escritor de quase 100 anos de idade tem uma história familiar bastante curiosa e faz uma reclamação: as lições da Babbel são muito longas!  

Em novembro, eu faço 100 anos e se alguém me perguntasse qual foi a experiência mais importante na minha vida, eu responderia: o amor à minha mulher, com quem eu dividi 76 anos de minha vida. Ela foi a pessoa mais importante na minha vida, nós praticamente nos transformamos em um só. Eu nunca poderia ter imaginado algo assim. Infelizmente, ela faleceu há dois anos e desde então, a vida ficou muito mais difícil. Mas eu procuro senti-la por perto, escrevendo minhas lembranças de nossa vida juntos.

Minha filha mora em Nova Iorque. Nós somos muito próximos e nos falamos sempre pelo Skype. Eu a vejo todos os dias e falo durante muito tempo com ela. Isso me dá ânimo. Para minha filha, o amor também foi a experiência mais importante da vida e também a razão pela qual ela vive em Nova Iorque: durante os estudos, ela ganhou uma bolsa e foi para os Estados Unidos, conheceu um rapaz e se apaixonou por ele. Então, ela permaneceu em Nova Iorque para poder ficar com ele. Agora, ela é correspondente do jornal  Il Messaggero. Ela é muito ativa e inteligente, interage muito rápido com outras pessoas e é muito extrovertida.

Eu moro em Florença, às margens do rio Arno, em uma casa que serviu de estrebaria do Pallazzo Serristori. Nesta casa também mora a minha família, entre outros, minha irmã, que fundou uma gráfica de artes, Il Bisonte. Lá também trabalha o meu neto, que aliás também já me presenteou com uma filha encantadora. Agora, eu também sou bisavô e minha bisneta é a razão pela qual eu comecei a estudar inglês.

Minha bisneta tem dois anos e tem uma babá inglesa. Então, para eu poder conversar com elas, eu tenho que aprender inglês. A Babbel tem o melhor método de estudo para mim, simplesmente perfeito. Bem, na verdade, me irrita um pouco, que eu tenha que aprender também a escrever, o que não me interessa nem um pouco. Eu nunca vou escrever em inglês, eu me interesso só por falar em inglês. Mas é muito útil porque se pode sempre repetir alguns sons do idioma que são muito diferentes em italiano . O italiano é uma língua rica em vogais, muito diferente do inglês que é cheio de consoantes. Nunca foi fácil para mim aprender outras línguas. Alguns amigos eram muito bons nisso e aprenderam idiomas em pouco tempo.  Fosco Maraini, meu cunhado, que é fotógrafo e escritor, aprendeu japonês em bem pouco tempo. Quanto ao meu inglês… até agora eu tenho sido bem preguiçoso: enquanto escritor, me bastava entender o inglês da  Encyclopædia Britannica, onde tudo é formulado de forma bem clara e simples.

Há alguns anos, foi publicado o romance Isola perduta („Ilha perdida“), que eu escrevi junto com minha mulher e meus filhos. Ele conta nossas experiências na Sicília, como eu conheci minha mulher – eu sou da Toscana e minha mulher, da Sicília – e como nós nos mudamos para esta ilha maravilhosa. Eu me tornei siciliano por opção. Na época, a Sicília era simplesmente encantadora, era como morar no paraíso. Entretanto, havia grandes problemas políticos, nós estávamos tentando impedir o fascismo. Eu estava ao lado dos antifascistas Aldo Captini, que era contra violência, e no início, eu estava convencido de que seria possívelvencer através de palavras e da verdade. Aí, estourou a guerra do ditador fascista  Mussolini, e só através dos guerrilheiros foi possível à Italia dar fim àquela experiência dolorosa .

O pai da minha mulher tinha uma fazenda e esperava que eu seguisse com a administração dela. Infelizmente, não deu certo e depois de vinte anos nessa ilha maravilhosa, nós mudamos para o norte da Itália para trabalharmos ambos como professores do ensino médio. Lá, teve início a minha segunda vida, como professor e escritor: eu comecei a escrever para o teatro e para a televisão.

Meu dia-a-dia hoje? Eu tenho dificuldade para andar e preciso de um andador. Mas eu tenho muita ajuda: uma senhora me ajuda com as tarefas diárias e uma moça me explica como usar melhor o computador e o Skype. Então, eu me dedico ao inglês. Mas eu não consigo repetir várias palavras porque a escrita e a pronúncia são tão diferentes. Então, eu levo muito tempo para aprender e às vezes, eu também acho as lições muito longas. Mas, eu não consigo imaginar um método melhor que o da Babbel. Realmente, é uma atividade diária muito agradável. É uma experiência… que me faz feliz. É isso.

Artigos recomendados

Como criar um novo hábito de aprendizado

Como criar um novo hábito de aprendizado

Saber como criar um novo hábito de aprendizado é crucial para os seus objetivos de longo prazo. Veja como podemos ajudar a criar hábitos que mantêm a motivação no aprendizado regular de um idioma.
ESCRITO POR Babbel
O melhor método de estudo: o seu método

O melhor método de estudo: o seu método

Na hora de aprender um idioma, as opções são as mais diversas. Mas como escolher alguma que, além de eficaz, seja adequada às suas necessidades? A seguir, as especialistas da Babbel, Sara e Fidi, contam o que você pode fazer para aprender um idioma aproveitando seu tempo livre.
ESCRITO POR Babbel
Fantasmas ao redor do mundo: Como diferentes culturas celebram seus mortos

Fantasmas ao redor do mundo: Como diferentes culturas celebram seus mortos

No texto a seguir, além de revisitar algumas tradições do Halloween de sua infância no condado rural de Somerset, na Inglaterra, Megan apresenta curiosidades que aprendeu com seus colegas de trabalho da Babbel.
ESCRITO POR Megan Toon
Author Headshot
Mara Zatti
Mara Zatti é gerente sênior de relações públicas da Babbel. Após ter estudado letras clássicas em Veneza, ela se mudou para a Alemanha, a fim de seguir sua paixão e concluir seus estudos com um doutorado em arqueologia clássica. Mara começou sua carreira como jornalista, mas agora trabalha do “outro lado” da assessoria de imprensa. Nessa nova posição, tem a possibilidade de conversar e escrever sobre formas modernas de aprender idiomas e novas tecnologias. A vida é estranha, às vezes.
Mara Zatti é gerente sênior de relações públicas da Babbel. Após ter estudado letras clássicas em Veneza, ela se mudou para a Alemanha, a fim de seguir sua paixão e concluir seus estudos com um doutorado em arqueologia clássica. Mara começou sua carreira como jornalista, mas agora trabalha do “outro lado” da assessoria de imprensa. Nessa nova posição, tem a possibilidade de conversar e escrever sobre formas modernas de aprender idiomas e novas tecnologias. A vida é estranha, às vezes.
Qual idioma você gostaria de aprender?