Retratos: Pierre, há 62 anos aprendendo idiomas

A série retratos dos usuários da Babbel traz pequenas passagens das vidas de nossos usuários e suas razões para aprenderem um novo idioma. Se você quiser compartilhar sua história conosco, escreva-nos um comentário. Nesta edição, apresentaremos a história do Pierre de Bengy-sur-Craon, uma região agrícola no centro da França, perto de Bourges. Aos 73 anos, […]
Author's Avatar
Retratos: Pierre, há 62 anos aprendendo idiomas

A série retratos dos usuários da Babbel traz pequenas passagens das vidas de nossos usuários e suas razões para aprenderem um novo idioma. Se você quiser compartilhar sua história conosco, escreva-nos um comentário. Nesta edição, apresentaremos a história do Pierre de Bengy-sur-Craon, uma região agrícola no centro da França, perto de Bourges. Aos 73 anos, esse ex-soldado já tem muita experiência em aprender idiomas e agora, gostaria de começar a aprender espanhol com a ajuda da Babbel.

„Há 62 anos, eu venho aprendendo línguas estrangeiras e já experimentei vários métodos. Mas a Babbel é o único que eu continuo usando com prazer e com êxito. Vocês podem citar minhas palavras onde quiserem. Saudações, Pierre“

Foi por causa dessas palavras gentis que nós entramos em contato com Pierre. Seu comentário sobre seus 62 anos de experiência, aprendendo idiomas despertou nossa curiosidade. Nós queríamos saber mais a respeito dessa experiência tão longa e o Pierre foi muito solícito em nos contar sua história.

“Como muitos, eu comecei a estudar novos idiomas na escola. Quando eu tinha dez anos, eu descobri o latim e o alemão; com doze, eu comecei com grego antigo. Durante a escola militar, eu tive aulas de alemão novamente dos 23 aos 25 anos e com 25, eu comecei a aprender russo. Minha carreira militar me deu a oportunidade de aprender idiomas durante missões no exterior. Dos 28 aos 31 anos anos, eu servi em Chade, onde eu aprendi a língua local, uma variante chadiense-sudanesa do árabe. No ano de 1990, eu aprendi polonês e tcheco. Além de meu serviço militar, eu também participei como vonluntário de missões em Gana e em Madagascar, onde eu dei aulas de francês e de equitação – minha grande paixão. Durante minha estada em Madagascar, eu comecei a aprender o idioma local, malgaxe, primeiro com a ajuda de um livro. Depois, eu pude praticar falando com as pessoas locais. Mesmo não dominando perfeitamente todos os idiomas que aprendi, para mim sempre foi muito importante dominar pelo menos o básico da língua do país que eu estava visitando. Para mim, isso é uma questão de educação e gentileza. É importante manter a curiosidade e, no mínimo, saber dizer “bom dia” e “boa noite” no idioma local. Aprender o básico para fazer compras ou fazer o pedido em um restaurante é o mínimo que se pode fazer.

Eu aproveito minha aposentadoria para cavalgar todas as manhãs e para viajar. E, claro, eu continuo aprendendo os idiomas dos lugares que eu visito. Há pouco tempo, eu pude melhorar meus conhecimentos de árabe em uma viagem que fiz a Marrocos. Minha paixão por aprender idiomas foi despertada sobretudo através das minhas viagens. Minha última “paquera” é o espanhol. Uma das minhas últimas viagens foi para Salamanca, no Noroeste da Espanha, e eu me apaixonei imediatamente pela cidade e pelo idioma. Eu decidi me cadastrar na Babbel e agora, eu estudo várias vezes ao dia pelo meu celular. Eu estudo até mesmo de madrugada porque eu acho que é uma ótima maneira de adormecer quando as luzes se apagam. Em minha próxima viagem vou passar o inverno nas Ilhas Canárias, onde vou poder pôr meu espanhol em prática. Isso é o que me motiva a estudar um pouco mais todos os dias.

De todos os idiomas que eu já aprendi, o inglês é a pedra no meu sapato. Eu já comecei várias vezes, mas nunca consegui continuar. Mas eu ainda não perdi as esperanças e quando eu terminar com espanhol, eu vou aprender inglês! Tudo a seu tempo.”

Artigos recomendados

Como criar um novo hábito de aprendizado

Como criar um novo hábito de aprendizado

Saber como criar um novo hábito de aprendizado é crucial para os seus objetivos de longo prazo. Veja como podemos ajudar a criar hábitos que mantêm a motivação no aprendizado regular de um idioma.
ESCRITO POR Babbel
O melhor método de estudo: o seu método

O melhor método de estudo: o seu método

Na hora de aprender um idioma, as opções são as mais diversas. Mas como escolher alguma que, além de eficaz, seja adequada às suas necessidades? A seguir, as especialistas da Babbel, Sara e Fidi, contam o que você pode fazer para aprender um idioma aproveitando seu tempo livre.
ESCRITO POR Babbel
Fantasmas ao redor do mundo: Como diferentes culturas celebram seus mortos

Fantasmas ao redor do mundo: Como diferentes culturas celebram seus mortos

No texto a seguir, além de revisitar algumas tradições do Halloween de sua infância no condado rural de Somerset, na Inglaterra, Megan apresenta curiosidades que aprendeu com seus colegas de trabalho da Babbel.
ESCRITO POR Megan Toon
Author Headshot
Pauline Bénéat
Paulie Bénéat nasceu em Bres, na França, e se formou em ciências políticas pela Sciences Po de Rennes e em estudos europeus pela Universidade de Bath, no Reino Unido. Depois de ter morado na França, nos Estados Unidos, na Inglaterra e na Alemanha, em 2013 ela decidiu se unir ao time da Babbel, em Berlim.
Paulie Bénéat nasceu em Bres, na França, e se formou em ciências políticas pela Sciences Po de Rennes e em estudos europeus pela Universidade de Bath, no Reino Unido. Depois de ter morado na França, nos Estados Unidos, na Inglaterra e na Alemanha, em 2013 ela decidiu se unir ao time da Babbel, em Berlim.
Qual idioma você gostaria de aprender?