Look out! Os 10 erros mais comuns que cometemos ao escrever em inglês

Look out and look into! Elencamos os 10 erros mais comuns na hora de escrever em inglês, afinal queremos “break the branch” para você (rs!).
Author's Avatar
Look out! Os 10 erros mais comuns que cometemos ao escrever em inglês

Aqui na revista da Babbel, já fizemos um artigo sobre a pronúncia do inglês (e os erros mais comuns dos brasileiros), uma matéria sobre as gírias do inglês norte-americano escrita pelo nosso querido editor John Erick (que já ensaiou aprender um pouco de português aqui ) e agora não poderíamos deixar de lado uma das partes mais importantes quando aprendemos um idioma: a escrita.

Nossa relações públicas Julie Krauniski junto com o nosso time didático elencou os 10 erros mais cometidos na hora de escrever em inglês (e falar também).

1 – Falsos Cognatos

Falsos cognatos são palavras que pensamos saber o significado, porque são semelhantes ao português, mas geralmente induzem a erros. Exemplos:

Actually não significa “atualmente”, mas “na verdade”. Exemplo: Actually I didn’t mean that (na verdade eu não quis dizer isso).
Brave não significa “bravo”, mas “corajoso”.
Push não é “puxar”, mas “empurrar”.
Pretend não é “pretender”, mas “fingir”.
Intend sim significa “pretender”.
Parents não é “parentes”, mas “pais”.

2- Out, into, up…. e os verbos frasais

Na língua inglesa, preposições podem ser usadas para formar verbos frasais, que não existem em português. Se você trocar um por outro, o significado também muda.

Look out, por exemplo, significa “ter cuidado”. Já look into quer dizer “verificar”.
Make up é “inventar”, “fazer as pazes”. E make out significa “ficar”, no sentido de namorar.

3- Expressões Idiomáticas

O português brasileiro apresenta inúmeras expressões que não podem ser traduzidas literalmente porque não fazem nenhum sentido para falantes da língua inglesa. Portanto, nunca use frases como essas:

Break the branch (quebrar o galho). Uma expressão em inglês correspondente seria “to make do”. Exemplo: I didn’t have a wardrobe, so I had to make do with boxes (eu não tinha um guarda roupa, então quebrei o galho com caixas).
Stepped on the ball (pisou na bola). “Drop the ball” seria a expressão correta.
Cockroach blood (sangue de barata). “To be meek and mild” é a expressão que pode ser usada nesse sentido.

Swallow the frog (engolir sapo). Em vez, use “take it to the chin”.
Kick the bucket (chutar o balde). Esta expressão existe em inglês, mas significa “bater as botas”, “morrer”. “Throw everything up in the air” seria a expressão mais correta para esse caso.

4 – People is…

É comum o erro de pensar que people é singular. Isso porque, “povo”, uma das traduções, é singular. Contudo, esse substantivo deve-se ser usado no plural.

Certo: People are going to a bar after work (as pessoas vão para um bar depois do trabalho).
Errado: People is going to a bar after work.

5 – I have 30 years

“Eu tenho 30 anos” é uma frase perfeitamente correta em português. Porém, em inglês, ninguém “tem” uma idade, as pessoas “são” aqueles anos que viveram. Por isso, é necessário usar verbo “to be” antes da expressão de tempo.

Certo: I am 30 years old (eu tenho 30 anos).
Errado: I have 30 years old.

Certo: My baby is 6 months old (meu bebê tem 6 meses).
Errado: My baby has 6 months old.

6 – Lost x Missed

“To miss” significa “sentir falta” e “to lose” quer dizer “perder”. Contudo, usa-se* “to miss”* também para quando perde-se algo por não ter chegado a tempo. Exemplo:

Certo: I missed the train.
Errado: I lost the train.

Em português, usa-se o verbo “perder” para a situação acima. Assim, é comum cometer o erro de fazer a mesma associação em inglês. Um uso correto do verbo “to lose” seria:

Certo: I lost my wallet (perdi minha carteira).
Errado: I missed my wallet.

7- Make x Do

Ambos os verbos podem ser traduzidos como “fazer”, mas não podem ser usados indiscriminadamente. Nesse caso, é melhor decorar onde usar o quê. Exemplos:

To do
To make
Do your best (faça o seu melhor)
Make an appointment (marcar uma hora)
Do a course (fazer um curso)
Make a change (fazer uma mudança)
Do the dishes (lavar a louça)
Make a decision (tomar uma decisão)

8 – Nothing x Anything

Muitos brasileiros usam anything e nothing, que significam “nada”, como sinônimos. Mas isso está errado. Anything deve ser usado em frases negativas e nothing em frases afirmativas. Exemplo: I don’t know anything about that (eu não sei nada sobre isso) ou I know nothing.

9- Travel x Trip

Travel é mais comumente usado como verbo. Exemplo: I’m planning to travel to Italy (estou planejando viajar para a Itália).

Trip é usado como substantivo. Exemplo: I’m planning a trip to Italy (eu estou planejando uma viagem para a Itália).

10- Have x There is

Ter (to have) é usado como sinônimo de haver (there is/are) em português, mas o mesmo não acontece em inglês.

Certo: There are many people here.
Errado: Have many people here.

Quer melhorar o seu inglês?
Comece com o aplicativo Babbel

Artigos recomendados

Você fala inglês assim? Como identificar um brasileiro falando inglês

Você fala inglês assim? Como identificar um brasileiro falando inglês

O sotaque e pronúncia certa das palavras fazem uma diferença crucial na hora de se comunicar. E, apesar do sotaque ser muitas vezes charmoso, cometemos alguns erros por carregar elementos da própria língua ao falar um idioma estrangeiro. Veja aqui os erros mais comuns que cometemos quando falamos inglês.
21 palavras e expressões em inglês americano que são, tipo, totalmente úteis para a vida

21 palavras e expressões em inglês americano que são, tipo, totalmente úteis para a vida

Like, whatever dude! Essas e mais outras expressões explicadas pelo nosso editor norte-americano John Erik. Embarque nessa viagem pelo mundo das gírias dos EUA!
*Phrasal Verbs*, muito prazer!

*Phrasal Verbs*, muito prazer!

Os falantes nativos de inglês usam muito os Phrasal Verbs. Quer melhorar o seu inglês? Aprenda como usá-los sem fazer confusão!
ESCRITO POR Nuno Marques
Author Headshot
Julie Krauniski
Julie Krauniski é jornalista por formação e Relações Públicas por opção. Graduou-se em Jornalismo pela PUC São Paulo e trabalhou durante 3 anos na Editora Globo. Em 2012 mudou-se para Berlim, pensando em aprender alemão e viajar pela Europa, mas acabou ficando de vez na cidade mais legal do mundo. Na capital alemã foi correspondente internacional, editora, gerente de conteúdo e hoje é RP na Babbel.
Julie Krauniski é jornalista por formação e Relações Públicas por opção. Graduou-se em Jornalismo pela PUC São Paulo e trabalhou durante 3 anos na Editora Globo. Em 2012 mudou-se para Berlim, pensando em aprender alemão e viajar pela Europa, mas acabou ficando de vez na cidade mais legal do mundo. Na capital alemã foi correspondente internacional, editora, gerente de conteúdo e hoje é RP na Babbel.
Qual idioma você gostaria de aprender?