Aprender um idioma… dormindo?

O sono ainda é um mistério em diversos aspectos, mas foi comprovado recentemente que ele pode fazer muito mais do que apenas descansar o nosso corpo fatigado. Aprender dormindo já não é mais uma promessa vaga, mas uma possibilidade para impulsionar o aprendizado, inclusive o de idiomas. Veja como o sono pode ajudar você nessa empreitada.
22/06/2016
Aprender um idioma… dormindo?

Imagine se pudéssemos utilizar o tempo que passamos dormindo, que corresponde a praticamente 1/3 de nossas vidas, de forma mais eficiente? Em um mundo onde a demanda por produtividade nos suga até o último segundo possível do dia, utilizar o sono como ferramenta de aprendizado não é assunto novo. Então, é possível aprender dormindo?

A ideia sempre pairou na atmosfera da ciência, e atualmente temos muito mais evidências de como o sono pode afetar a nossa rotina diária. A promessa de fazer do sono algo mais do que um simples processo para revigorar uma mente cansada ainda é muito vaga, mas não impossível.

Em um estudo da Universidade de Northwestern, pesquisadores descobriram que a memória pode ser reativada durante o sono e seu sistema de armazenamento fortificado durante esse processo.

Isso significa que a memória pode ser fortalecida em relação a algo que já foi aprendido, reativando a informação adquirida recentemente. Ou seja, você pode não aprender algo do zero enquanto dorme, mas com certeza pode memorizar com mais eficiência o que acabou de aprender.

Neste estudo de Northwestern, um grupo de participantes aprendeu a tocar duas notas musicais geradas artificialmente. Enquanto os participantes tiravam uma soneca de 90 minutos, os pesquisadores os expuseram a uma das notas que estavam sendo praticadas.

Como resultado, os participantes cometeram menos erros ao reproduzir a nota ao qual foram expostos durante o sono do que a outra, à qual não tiveram nenhuma exposição. Uma das explicações para o fenômeno é que as notas foram apresentadas durante a fase NREM (non rapid eye movement – movimento não-rápido dos olhos) de sono profundo, que já foi relacionada previamente ao processo de consolidação de memórias.

Portanto, a ideia de aprender dormindo não é uma promessa completamente vazia. Em vez de aprender algo definitivamente novo durante o sono, aumentar a capacidade de retenção da memória com fatos anteriormente aprendidos é o que se mostrou possível com esse experimento.

Os pesquisadores ainda frisaram que o experimento poderia ser aplicado a diversos tipos de aprendizados além do musical, como o de idiomas.

Outro experimento também foi executado de forma semelhante na Suíça, por Bjorn Rasch, da Universidade de Zurique. Rasch comparou o resultado de dois grupos de alemães aprendendo holandês em testes de vocabulário. O pesquisador expôs um dos grupos a algumas palavras em holandês durante o sono no estágio NREM, enquanto o outro grupo teve contato com essas palavras apenas enquanto estavam acordados. O grupo que ouviu as palavras enquanto dormia teve resultados 10% melhores do que os outros que não tiveram nenhum contato com o vocabulário durante o sono.

Seria uma luz no fim do sono, quer dizer, túnel?

Ainda não chegou a hora de trocar os estudos pelo travesseiro, mas não custa tentar ouvir áudios da Babbel enquanto você dorme. Ah, e não se esqueça de fazer isso depois de revisar o vocabulário aprendido, afinal, por enquanto podemos apenas turbinar a nossa memória durante o sono.

Para quem quiser saber mais, alguns links interessantes nos quais esse artigo foi baseado:

http://super.abril.com.br/ciencia/sim-e-possivel-aprender-dormindo

http://cercor.oxfordjournals.org/content/early/2014/06/23/cercor.bhu139 (em inglês)

http://www.bbc.com/future/story/20140721-how-to-learn-while-you-sleep (em inglês)

NÃO ESPERE CAIR NO SONO PARA APRENDER UM NOVO IDIOMA
BAIXE AGORA O APLICATIVO DA BABBEL
Author Headshot
Sarah Luisa Santos
Sarah Luisa Santos nasceu e cresceu em São Paulo, passou um tempinho em Londres, mas foi parar mesmo é em Berlim. Apesar de ser formada em Artes Visuais, ela decidiu seguir sua paixão por textos e palavras e atualmente divide com a Babbel suas descobertas linguísticas, como editora da Revista da Babbel em português. Siga-me no Twitter.
Sarah Luisa Santos nasceu e cresceu em São Paulo, passou um tempinho em Londres, mas foi parar mesmo é em Berlim. Apesar de ser formada em Artes Visuais, ela decidiu seguir sua paixão por textos e palavras e atualmente divide com a Babbel suas descobertas linguísticas, como editora da Revista da Babbel em português. Siga-me no Twitter.

Artigos recomendados

Como aprender idiomas… sozinho!

Como aprender idiomas… sozinho!

Quando eu aprendo um novo idioma, passo uma quantidade significativa de tempo estudando sozinho. Aqui estão as 7 dicas que eu sigo para manter o foco e aprender de forma independente.
Escrito Por Matthew Youlden
Vale mesmo a pena aprender idiomas? Qual o valor de um curso de inglês? Compensa?

Vale mesmo a pena aprender idiomas? Qual o valor de um curso de inglês? Compensa?

Essa é uma questão pertinente e a resposta virá na forma de alguns números incontestáveis. Veja no artigo abaixo se realmente vale a pena aprender um novo idioma.
5 dicas para aprender idiomas sozinho e sem ir a um curso

5 dicas para aprender idiomas sozinho e sem ir a um curso

Hoje em dia, há diversas maneiras de personalizar o aprendizado de idiomas, considerando motivações, preferências e, claro, tempo.
Escrito Por Breno Pessoa