Babbel Logo

Comece a falar um novo idioma agora. Experimente de graça!

O que é cafuné? Uma investigação sobre a origem dessa palavra tão gostosa

Qual a origem da palavra cafuné? Investigamos de onde vem essa palavra tão gostosa!
Author's Avatar
ESCRITO POR Cecília E.
O que é cafuné? Uma investigação sobre a origem dessa palavra tão gostosa
Ilustração por Paula P. Rezende

O que é cafuné? É fato, todo mundo que já ganhou um cafuné sabe o quão bom que é! Mas o que ninguém sabe é qual a origem dessa palavra: um gesto tão gostoso!

A palavra cafuné parece ter surgido tão de mansinho que ninguém percebeu! Sua origem se diverge principalmente em duas possibilidades: veio com os navios negreiros direto de Angola ou já vivia por terras tupiniquins, brincando por entre os dedos e cangas nativas. Muitos acreditam que a origem da palavra tenha se perdido e permanecerá um mistério. Nesse cenário, a origem da palavra fica flutuando, brincando num específico ato de carinho, tão difundido pelos corpos brasileiros… Mas não se sinta assim tão perdida! A gente pode encontrar ainda algumas pistas e traços! Vamos dar uma olhada?

Roger Bastide, um grande antropólogo francês que viveu e produziu por um tempo no Brasil, era da opinião de que a origem da palavra cafuné era africana. Enquanto isso, outro grande antropólogo francês que também passou um tempo no Brasil, Lévi-Strauss, atribuía muitos dos elementos que definem a palavra ao ato simples de carinho presente entre os indígenas brasileiros, os Bororós, que têm o costume de acariciar a cabeça um dos outros como prática social para catar piolhos. Para ele, a origem da palavra estava no território onde ela era colocada em prática: o Brasil.

Apesar de as discussões sobre a origem da palavra serem amplas, todos concordam com seu significado básico: tomar a cabeça de alguém com delicadeza e acariciá-la. Mas, para alguns ainda, o sentido original da palavra cafuné não era assim tão doce: tomar a cabeça de alguém e torcê-la! Dá para acreditar?

Seja qualquer for a origem que você escolher para essa palavra, o fato é que é impossível dar uma volta (seja qual for seu trajeto!) pelo grande território brasileiro e não ver o cafuné fluindo por todos os lados e por diferentes realidades! O cafuné é uma mistura de teoria com prática, de instinto com construções sociais e culturais.

Para simplificar tudo, podemos definir a palavra cafuné assim:

“Simples ato de acariciar, adormecer, contemplar ou relaxar alguém. Ato com raízes na intimidade e no carinho. Uma carícia marota. Estalidos na cabeça de alguém. Imitação a caça a piolhos.”

Uma curiosidade sobre essa palavra é que ela faz parte dessas palavrinhas em português que não têm uma tradução direta para outros idiomas! Para traduzir essa palavrinha aqui, é preciso dar todo um contexto, contar toda uma história ou simplesmente apoiar a cabeça no colo de alguém e deixar que essa pessoa cate seus piolhos, preferencialmente numa tarde mansinha…

Em outras palavras, cafuné é algo íntimo e leve. Acontece apenas onde há carinho, não tem lugar fixo. Está nas casas, varandas, praias, bancos de praças, escadas e ruas. Brinca no ato leve de coçar a cabeça de alguém e fazer essa pessoa relaxar, adormecendo docemente… Acariciar o outro por simples afeto.

E, para além de toda essa discussão filosófica e brincadeiras poéticas, o fato é esse: a maioria das pessoas que já pesquisou a origem da palavra cafuné realmente acredita que ela venha do quimbundo, uma língua angolana. Mas até aí essa palavra brinca com a gente! Mesmo para os pesquisadores que acreditam que a origem venha do quimbundo, não é claro qual seria a sua palavra-mãe, ou seja, a raiz propriamente dita! A dúvida brinca por entre essas palavras aqui: kafu’nukifunateKajundu.

E aí, se você concordasse que a palavra cafuné vem mesmo do quimbundo e tivesse que escolher uma raiz só para todo esse cafuné do mundo, qual dessas três palavrinhas você escolheria?

Sem mais.

Um cafuné e muito axé para vocês!

(Axé? Mas qual a origem da palavra axé? Hum… Só conto na próxima!)

Se você quiser saber a origem de outra palavra, é só mandar a sua sugestão!

Amplie seus horizontes

Fale um novo idioma agora

Artigos recomendados

A origem da língua francesa: tudo o que você precisava saber

A origem da língua francesa: tudo o que você precisava saber

Os primeiros questionamentos a respeito da origem do idioma francês surgiram no século XVI, quando essa língua já contava com cinco séculos de existência. Desde seus primórdios até seu reconhecimento oficial, em 1539, vários momentos importantes marcaram a história da língua românica menos românica de todas.
ESCRITO POR Julie Piérart
Como aprender outro idioma? Qual o segredo dos poliglotas para aprender várias línguas?

Como aprender outro idioma? Qual o segredo dos poliglotas para aprender várias línguas?

O que faz realmente alguém aprender um novo idioma? Myra, a poliglota holandesa, e Benny, um poliglota inglês, contam como aprenderam seus idiomas, e acreditem, não tem nada a ver com nenhuma habilidade especial.
10 lugares em East London para deixar sua viagem mais animada

10 lugares em East London para deixar sua viagem mais animada

Cervejarias londrinas, lojas com peças vintage, cultura clubber underground e restaurantes paquistaneses. East London é uma região fervida para quem procura saber como é a atmosfera diversa da capital inglesa. Quem conta é nossa colaboradora Flávia, com uma lista dos seus 10 lugares favoritos para visitar por lá.
Author Headshot
Cecília E.
Cecília Erismann é uma poeta e artista com muitas curiosidades. Autora dos livros Poesia em Flor Menor e A dialogue between poetry and philosophy: An encounter of the writer with his reader, Cecília já teve seus textos publicados em diversas revistas, colaborações e ontologias. Atualmente ela mora em Berlin, onde consegue dar sempre um jeitinho de praticar os 5 idiomas que fala e arriscar de vez em quando uma ou outra palavrinha num outro idioma que ela ainda não conheça muito, tipo italiano.
Cecília Erismann é uma poeta e artista com muitas curiosidades. Autora dos livros Poesia em Flor Menor e A dialogue between poetry and philosophy: An encounter of the writer with his reader, Cecília já teve seus textos publicados em diversas revistas, colaborações e ontologias. Atualmente ela mora em Berlin, onde consegue dar sempre um jeitinho de praticar os 5 idiomas que fala e arriscar de vez em quando uma ou outra palavrinha num outro idioma que ela ainda não conheça muito, tipo italiano.

Qual idioma você gostaria de aprender?