Línguas secretas, amores discretos: O pajubá e o dialeto gay ao redor do mundo

Em todo o mundo, pessoas *queer* desenvolveram formas de comunicar-se entre si sem que pessoas de fora as entendam. Como são essas línguas secretas?
Author's Avatar
Línguas secretas, amores discretos: O pajubá e o dialeto gay ao redor do mundo

O mês de Junho é um mês muito especial para toda a comunidade LGBTI ao redor do mundo. No dia 28 de Junho, comemora-se o Dia Mundial do Orgulho LGBTI. Esta data foi escolhida pois neste mesmo dia, em 1969, ocorreu um episódio marcante em Nova Iorque, relacionado à comunidade LGBTI, que entrou para a história e que é lembrado ate hoje nessa data, todos os anos. Você pode ler mais sobre essa data histórica e sobre os fatos ocorridos aqui.

Para comemorar essa data super importante, que celebra a diversidade e a tolerância, nós aqui da Babbel pesquisamos o dialeto gay de diferentes países para descobrir se o pajubá (expressões usadas pela comunidade queer) é exclusivo do Brasil. A Babbel descobriu que, no mundo todo, queers desenvolveram formas de se comunicar sem que pessoas “de fora” compreendessem. Em inglês, essa linguagem chama-se argot queer

Aqui entre nós…

Sabe aquelas pessoas com as quais você divide um monte de piadas e referências internas? A ponto de quem está de fora não entender quase nada quando vocês conversam? Essa forma de comunicação quase telepática, além de divertida, tem suas vantagens. Afinal, às vezes a gente está com a língua coçando para fazer um comentário, mas tem de se controlar por causa de outras pessoas que estão por perto.

Não é só com amigos que a gente compartilha uma forma própria de falar. Algumas gírias, por exemplo, são típicas de uma geração, uma profissão, uma região, etc. Certos grupos, porém, usam uma linguagem tão própria que ela se torna quase uma língua “secreta”, que ninguém de fora consegue entender. Esse tipo de linguagem tem um nome – no caso dialeto gay do Brasil – o pajubá, damos a essa linguagem o nome de argot (pronúncia: ar-gô).

Dando pinta

Um dos muitos grupos que possuem um argot próprio é a comunidade queer, ou seja, pessoas que fogem do que é considerado padrão devido à sua identidade de gênero e/ou à forma como expressam sua afetividade. Isso não chega a ser uma surpresa se pensarmos na discriminação e marginalização que essas pessoas sofreram e sofrem. Afinal, quando você não tem a liberdade de falar sobre sua identidade e suas formas de afeto em qualquer lugar, é preciso inventar uma língua “alternativa” para se comunicar com quem também está passando pelas mesmas coisas que você. O interessante é que isso não se restringe somente ao seu círculo de amizades. Soltar uma ou outra palavra do argot durante uma conversa com pessoas desconhecidas e ver como elas reagem pode ser uma forma sutil de descobrir se elas também são entendidas… o que pode ser o início de uma amizade ou até mesmo de um romance.

Nós já falamos sobre argots aqui na Babbel Magazine e mencionamos o polari, um argot queer falado na Inglaterra. Esse dialeto gay que era muito usada entre homens, acabou sendo esquecido através dos anos, mas ainda é um dos mais importantes, pois ele ajudou a moldar e a definir a cultura queer como a conhecemos nos dias de hoje.

Ficou interessado em saber mais? Dê uma olhada nos artigos da Babbel sobre o redescobrimento da cultura Polari e sobre a etimologia da Polari (os artigos estão em inglês, uma ótima chance para você praticar o idioma, e acreditamos que não haja forma melhor para aprender uma segunda língua, do que lendo sobre um assunto tão interessante, não é mesmo?)

Agora, que tal dar uma olhada na linguagem, ou argots, de outros países?

Ilustração por Jana Walczyk

Brasil

O argot queer brasileiro é chamado pajubá, ou bajubá. Ele é falado em praticamente todo o país, com poucas variações regionais. Apesar de ser fortemente baseado no português, ele incorpora muitos elementos das línguas iorubá. O motivo é que algumas religiões afrobrasileiras, fortemente influenciadas pela cultura iorubá, são relativamente abertas a pessoas queer, oferecendo um espaço onde essa comunidade pode se expressar mais livremente.

Algumas dessas palavras são conhecidas por grande parte dos brasileiros como, por exemplo, erê, que significa criança. Já outras palavras são menos óbvias, como aqué (dinheiro) e alibã (policial). Outra característica bem marcante do pajubá é o uso frequente de nomes femininos. Dar a Elsa, por exemplo, significa roubar. Esses nomes são inspirados em telenovelas, cantoras e atrizes famosas, etc. Algumas palavras e expressões do pajubá têm ficado cada vez mais conhecidas fora da comunidade queer devido ao seu uso na mídia e ao crescimento da pesquisa acadêmica a seu respeito. Há, inclusive, um dicionário do pajubá. Seu nome é Aurélia, uma brincadeira com o nome do famoso dicionário Aurélio.

Turquia

Assim como o pajubá, um outro dialeto gay, a lubunca – o argot queer falado na Turquia – também tem se difundido cada vez mais fora da comunidade queer. Esse argot se baseia em muitas das línguas minoritárias faladas no país, como o grego, o curdo e o búlgaro. Contudo, a grande maioria das palavras vem do romani, idioma falado por uma das comunidades mais marginalizadas dentro e fora da Turquia, os roma (ciganos). Essa influência do idioma romani se explica, por um lado, pela experiência de marginalização comum aos dois grupos. Essa proximidade acaba se manifestando também na linguagem. Por outro lado, nem sempre faz sentido falar em dois grupos, já que muitas pessoas são romani e queer ao mesmo tempo. Afinal, fazer parte de uma minoria não impede você de também ser parte de outra, não é mesmo?

África do Sul

Os argots queer não são completamente diferentes da língua majoritária do lugar onde são falados. Pelo contrário, apesar de se apropriar de termos de outras línguas, a gramática costuma ser a mesma da língua “oficial”. O que acontece, então, em países onde há várias línguas oficiais? Um ótimo exemplo é a África do Sul que, além de ter sido o primeiro país africano (e um dos primeiros do mundo) a legalizar o casamento igualitário, possui nada menos do que onze línguas oficiais. Calma, já vou adiantando que lá não existem onze argots queer. Existem, porém, dois, reflexo das divisões raciais históricas do país.

O gayle surgiu na década de 1950 e é falado sobretudo pela comunidade branca ou de ascendência mista. Ele se baseia no inglês e no afrikaans e incorpora diversos termos vindos do polari britânico e gírias queer estadunidenses. O que é interessante no gayle é que, assim como o pajubá, muitas palavras são, na verdade, nomes femininos. Em alguns casos, esses nomes são bem parecidos com os termos em inglês que representam. Monica, por exemplo, vem de* money* (dinheiro); Priscilla, de policeman (policial); e Jessica, de* jewellery* (joias). Já o termo gail, de onde o nome do argot deriva, significa bate-papo.

A comunidade negra sul-africana também possui seu argot próprio, o isiNgqumo. Seu nome vem de um termo do próprio argot e significa decisões. O isiNgqumo é baseado em algumas línguas nguni, um grupo dentro das línguas bantu. Comparado ao gayle, porém, ele ainda não foi muito estudado e documentado. Essa diferença entre os dois argots sul-africanos reflete, assim, as tensões raciais presentes na história do país e que infelizmente se mostram mais fortes que a experiência compartilhada por pessoas queer.

Indonésia

Se na África do Sul temos onze línguas oficiais e dois argots, como são as coisas na Indonésia, onde são faladas – literalmente – centenas de línguas? Por incrível que pareça, lá só existe um grande dialeto gay ou argot queer, chamado de bahasa gay. Ou bahasa banci. Ou bahasa bengcong. Ou bahasa binan. A complicação com o nome da língua revela um pouco do processo de criação novas palavras nesse argot. Uma forma muito comum, por exemplo, é simplesmente adicionar -ong ao fim da palavra. Desse modo, “banci”, que significa mulher trans, se torna “bancong”. Daí que vem o nome “bahasa bengcong” (Ok, também mudaram um pouco a ortografia).

Uma outra maneira de formar palavras é adicionar -in- entre as sílabas, mais ou menos como na nossa língua do P. “Banci”, para continuar usando o mesmo exemplo, se torna “Binancin” (sim, parece nome de remédio). É a partir da versão simplificada de “binancin” que vem o outro nome do argot, bahasa binan. Achou tudo super confuso? Nem esquente a cabeça. Afinal, argots são feitos justamente para confundir quem está de fora, não é mesmo?

Separar ou unir?

Ao compartilhar uma linguagem e referências culturais, pessoas queer acabam por se sentir mais próximas, mais unidas. Por isso, pode-se dizer que o argot é uma linguagem universal, que serve para unir quem o conhece. Por outro lado, se todo mundo entendesse tudo, não seria mais um argot, não é? Afinal, argots existem justamente para separar um grupo do resto da sociedade e criar um espaço privado.

À medida que o dialeto gay ou argots se tornam mais conhecidos – inclusive por causa de artigos como este – uma pergunta se torna inevitável: será que essa divulgação realmente é desejável? Por um lado, argots são uma porta de entrada para um universo social e cultural extremamente rico. É compreensível que outros grupos também queiram ter acesso a tudo isso. Por outro lado, a aceitação de certas palavras ou expressões é mais rápida que a aceitação do modo de vida de quem originalmente as criou. E no fim das contas, argots não são somente divertidos, eles são, de certo modo, necessários para quem sofre discriminação. Qual é a saída? Compartilhar ou não compartilhar, documentar ou não documentar? O problema está longe de ter uma solução simples. Até porque enquanto uns escrevem dicionários, outros inventam novas palavras.

Achou interessante? Continue comemorando com a gente o mês da diversidade e tolerância com a próxima série de artigos, que aborda o tema sobre a experiência de viajar sozinha pelo mundo: Um guia da Babbel para mulheres e pessoas queer – Parte 1, e a continuação do artigo aqui, onde blogueiras experientes no assunto comentam sobre suas percepções ao vivenciarem essa experiência ao redor do mundo!

A Babbel e o seu compromisso com a diversidade: Uma palavra sobre a  importância da pluralidade para nós

Por que o mundo em que vivemos é plural, respeitar as diferenças é mais do que um dever: é uma máxima. Aqui na Babbel, fizemos da diversidade um pilar da nossa empresa. Mais de 50 nacionalidades diferentes estão representadas na Babbel, por isso nos comprometemos em unir culturas e personalidades diferentes através do aprendizado de idiomas. É por isso que fizemos questão de desenvolver um aplicativo que possa promover valores morais com os quais todos possam se identificar. Esses valores morais são nosso maior patrimônio: nossa força está na unidade de nossas diferenças. Aprendemos um pouco mais a cada dia através do contato com os outros, e o nosso aplicativo é o produto dessa sinergia. Mas, acima de tudo, trabalhar na Babbel significa desfrutar de um ambiente de aprendizagem e de trabalho, com o respeito às diferenças em primeiro lugar. E não faltam oportunidades!

Por exemplo: Nós introduzimos uma reunião interna semanal, o “Stranger Talks”, onde nossos colegas são convidados a compartilhar sua própria experiência e sua percepção sobre a diversidade. Nós também nunca perdemos uma oportunidade de aprender com o próximo: Nós convidamos regularmente pessoas de fora da Babbel que tenham conhecimento de causa, para passar o horário de almoço na empresa conosco, falando sobre tópicos que sejam ao mesmo tempo técnicos e enriquecedores. Em outras palavras, nós gostamos de aprender e de compartilhar nossos conhecimentos. 

Se a Babbel está na vanguarda da tolerância ativa no mundo dos negócios, isso se deve também ao fato de que essa tolerância está presente no coração da nossa empresa. Nossos valores morais são parte integrante do nosso ambiente de trabalho, do desenvolvimento da nossa aplicação e da elaboração do nosso método. Por isso, os temas abordados em nossas aulas refletem o nosso compromisso com a diversidade e a importância que lhe atribuímos.

Se você usa o nosso aplicativo, você provávelmente já descobriu que um dos pontos mais fortes do nosso método de ensino, é que ele facilita a memorização através da associação de ilustrações com palavras de vocabulário. E é exatamente através desta sinergia entre imagem e palavra, que decidimos promover a diversidade e a inclusão!

Amplie seus horizontes
Conheça o aplicativo Babbel

Artigos recomendados

Gêmeos e linguagens secretas

Gêmeos e linguagens secretas

Introspecção no caso de dois irmãos gêmeos que desenvolveram sua linguagem secreta em uma linguagem estruturada.
Porque eu escolhi aprender idiomas minoritários

Porque eu escolhi aprender idiomas minoritários

Mandarim, espanhol, inglês e árabe podem ser, talvez, os “superidiomas” da era moderna, mas idiomas minoritários como catalão, bretão e córnico são fundamentais para a diversidade do nosso DNA cultural. E esses idiomas não estão morrendo. Eis o porquê, aqui.
ESCRITO POR Michael Youlden
9 gírias tipicamente britânicas que você não conhece, mas deveria

9 gírias tipicamente britânicas que você não conhece, mas deveria

Quer ser tão britânico quanto a rainha bebendo chá em um ônibus vermelho de dois andares? Então comece aprendendo as seguintes gírias britânicas.
ESCRITO POR Ed M. Wood
Author Headshot
Vitor Shereiber Nogueira
Quando criança no interior de São Paulo, Vitor brincava em seu quintal com a cadela Xuxa e nem sonhava que um dia terminaria em Berlim. O que aconteceu? Um curso de Letras, um voo transatlântico, outra faculdade (História e Gênero), uma paixão ardente por topázios imperiais… Na Babbel desde 2014, agora ele ensina que, no Brasil, "passe lá em casa" nem sempre é um convite.
Quando criança no interior de São Paulo, Vitor brincava em seu quintal com a cadela Xuxa e nem sonhava que um dia terminaria em Berlim. O que aconteceu? Um curso de Letras, um voo transatlântico, outra faculdade (História e Gênero), uma paixão ardente por topázios imperiais… Na Babbel desde 2014, agora ele ensina que, no Brasil, "passe lá em casa" nem sempre é um convite.
Qual idioma você gostaria de aprender?