Fale um idioma como sempre sonhou

Aprenda idiomas como nunca. Baixe o aplicativo gratuitamente!

Escolha um idioma – a primeira lição de cada curso é grátis!

O que nos faz aprender um segundo idioma? Ou terceiro, quarto, quinto…

O que nos faz aprender um segundo idioma? Ou terceiro, quarto e até quinto? Aqui exponho algumas ideias de como chegar lá (ou pelo menos achar a motivação para isso!).

Escrito por Sarah Luisa Santos

Desde que comecei a trabalhar na Babbel, eu ando muito mais ligada na forma como as pessoas aprendem um idioma. Claro que não só pela minha função aqui como editora de textos sobre esse tema, mas também por viver cercada de colegas talentosíssimos que falam pelo menos (sim, pelo menos!) três idiomas.

Está certo que aqui em Berlim, onde fica o QG da Babbel, falar um segundo idioma é extremamente necessário. São muitos os países que fazem fronteira, a livre circulação de pessoas dentro da União Europeia faz essa necessidade ainda maior e historicamente Berlim é uma cidade ponte entre leste e oeste, onde a maioria das conexões ocorriam/ocorrem.

E, por causa de todos esses fatores, as famílias aqui simplesmente se tornaram, em sua maioria, multiculturais e multilíngues.

Mas, além da herança familiar/cultural, o que faz as pessoas a aprenderem então o seu terceiro, quarto ou o quinto idioma?

Nós fizemos uma pesquisa sobre o comportamento dos nossos usuários, que contou com a participação de cerca de 45000 pessoas. Eu achei alguns dados bem interessantes e gostaria de dividir com vocês:

1. Inglês continua sendo a escolha número 1 na hora de aprender um idioma

Sim, seguido de espanhol, francês, italiano e alemão. O motivo para mim parece bem claro: inglês simplesmente é a língua comum no mundo dos negócios, das relações internacionais e das viagens.

As pessoas aprendem inglês por razões práticas, e muitas vezes por necessidade profissional.

Mas como um segundo ou terceiro idioma a ser aprendido, o inglês definitivamente perde o primeiro lugar. Quando o assunto é interesse cultural, nossos hermanos hispânicos ficam na frente e no quesito "herança cultural" o idioma mais procurado é o italiano (oi, imigração italiana no Brasil).

E uma curiosidade mais: perguntamos qual o idioma que as pessoas se sentiriam mais confiantes para falar depois de 5 horas de estudos com o aplicativo da Babbel. Aqui está o ranking:

1 – Inglês

2 – Sueco

3 – Italiano

4 – Alemão

5 – Português

2. A razão número 1 para aprender um idioma estrangeiro: viagem

O inglês já satisfaz bem essa necessidade na maioria dos países do mundo, mas vale lembrar que não é em todo lugar que você vai poder facilmente falar inglês.

O segundo motivo para aprender idiomas certamente é muito mais interessante que o primeiro: o aperfeiçoamento pessoal. Esse motivo fica atrás de viagens por uma diferença de apenas 6%.

Muitos de nossos aprendizes querem estudar um novo idioma por satisfação pessoal. Afinal, qual a melhor forma de provar para si mesmo que o "tico e teco" ainda estão funcionando muito bem? Além do mais, aprender idiomas para evoluir pessoalmente é uma grande motivação por si só e tira aquele peso de "aprender por obrigação" ou aquele estigma de que temos que aprender um idioma para melhorar de vida (ok, isso não deixa de ser verdade, mas tudo feito com amor fica muito melhor, não é mesmo?)

3. Qual a hora de aprender? No fim da tarde

Esse horário foi unânime: 41% dos nossos entrevistados têm essa preferência na hora de estudar um novo idioma. Períodos como a manhã e a tarde ficaram quase empatados com 24% e 23% das respostas respectivamente, seguidos da noite com apenas 7% e da hora do almoço com 5%.

O aplicativo da Babbel tem como uma de suas estratégias de ensino incentivar o estudo diário, nem que sejam por apenas 15 minutinhos, para você se acostumar com a nova língua e também fixar o que foi aprendido. Concordo que para você não perder o ritmo de produtividade do dia, estudar ao final da tarde, geralmente depois do trabalho (ou universidade, escola, que seja) pode ser uma boa pedida.

E indicamos: sempre que tiver um tempinho livre, aproveitar aqueles 15 minutinhos para revisar ou aprender mais vocabulário ou frases. Com essa prática, você nem vai perceber que já está falando a sua novo língua.

4. Qual o meio usado para estudar? O computador

Apesar dos celulares permitirem maior mobilidade, o computador ainda é o preferido. Separar um tempo para sentar e estudar, ver melhor na tela os exercícios que você quer fazer ou o vocabulário que quer praticar é uma boa opção sempre. Sem contar a facilidade de ter abas no navegador para ler textos, ver vídeos e outras mídias enquanto você estuda. Mas, como disse anteriormente, exercícios feitos por 10 minutinhos no celular antes de dormir ou na fila do ônibus também fazem toda a diferença na hora de fixar o idioma, e no final você consegue incorporar com mais facilidade no dia a dia. Um meio complementa o outro, não se esqueça.

5. Qual motivação para aprender um novo idioma é comum a todas as idades? Aperfeiçoamento pessoal

Nós fizemos um gráfico de como cada motivação permanece ao longo da nossa vida. A que se manteve constante, em todas as faixas etárias foi justamente a do aperfeiçoamento pessoal.

Motivos como viagens declinam com o passar do tempo, assim como o motivo para manutenção da saúde mental aumenta de acordo com a idade. O motivo que se manteve quase intacto ao longo da vida foi o aperfeiçoamento pessoal.

Conclusão

Eu imagino que não são somente os dados dessa pesquisa que podem nos ajudar a desvendar os motivos para alguém aprender um ou mais idiomas, ou até mesmo o êxito de finalmente se tornar fluente. Afinal, contexto é tudo nessa vida e as pessoas são diferentes, portanto, o que funciona para alguns pode não funcionar para outros.

Mas uma coisa é comum ao analisarmos a pesquisa, que o interesse pessoal sempre de alguma forma prevalece nas respostas. Na hora de passar horas estudando aquela gramática ou revisar algumas palavrinhas no seu almoço, é justamente esse interesse pessoal que vai fazer você conseguir encarar a parte mais chata dos seus estudos (sim, infelizmente nem tudo é flores!).

Se você está lendo este texto é porque alguma coisa forte está aí dentro fazendo você querer ampliar seus horizontes e aprender um novo idioma . Para mim, hoje mais do que nunca, aprender um novo idioma significa não só falar bem, mas aprender uma nova cultura e um novo modo de pensar. E aí, o que realmente motiva você a falar um novo idioma?

Amplie seus horizontes

Comece a aprender um novo idioma