Qual idioma você gostaria de aprender?Right Arrow

Onde fica o Muro de Berlim e seu beijo letal?

Onde fica o Muro de Berlim também fica uma história cheia de protestos, reviravoltas e humanidade. A capital alemã ressignificou esse passado problemático com o apoio de diversos artistas. Conheça neste artigo o beijo letal do Muro de Berlim.
Escrito Por Camila Rinaldi
Onde fica o Muro de Berlim e seu beijo letal?
Foto por Mar Cerdeira no Unsplash

A história de Berlim se revela a cada esquina. Desde a arquitetura dos prédios aos grandes monumentos em praças e parques. Quando cheguei à capital alemã, em 2010, nada me marcou tanto quanto ver parte do muro ainda em pé, em uma extensão de 1,3 km, na divisa entre os bairros de Friedrichshain e Kreuzberg. Hoje, no entanto, o muro não separa uma mesma cidade, está em pé apenas para nos lembrar da importância da liberdade.

O muro de Berlim foi construído em 13 de agosto de 1961, por iniciativa da República Democrática Alemã (RDA), durante a Guerra Fria. Motivada pela possibilidade de ver habitantes do lado oriental, socialista, emigrando para o lado ocidental, capitalista, Walter Ulbricht, então presidente da RDA, mandou que se construísse o muro da noite para o dia. Depois de longos 28 anos, em novembro de 1989, tivemos a queda do muro.

O Berliner Mauer tinha uma extensão de 155 km, estruturas adjacentes e circundava toda a Berlim Oriental, separando-a da Alemanha Ocidental, bem como da Berlim Ocidental. Durante o tempo de existência desta barreira física, muitas famílias estiveram separadas entre o lado socialista e o lado capitalista. Além do obstáculo no meio do caminho, o muro representou também um corte profundo na sociedade alemã.

Com a queda do muro, em 1989, todos queriam a destruição deste símbolo que representava a não liberdade, a morte e a distância entre as pessoas. Porém, 1,3 km do muro foram mantidos em pé e, no início de 1990, 118 artistas, de 21 países, coloriram o cimento cinza e transformaram o símbolo de repressão em uma das maiores galerias de arte a céu aberto do mundo, a East Side Gallery.

Onde fica o Muro de Berlim? Conheça a East Side Gallery, da opressão à arte

Descendo a rua Warschauer, que em português significa Varsóvia, na direção do bairro Kreuzberg, ou seja, no lado oriental da Berlim da RDA, logo vemos o colorido das pinturas da East Side Gallery. Ao todo, são 105 obras que se revelam todos os dias para nos lembrar dos horrores de um sistema opressor, e que também servem de crítica aos tantos muros que ainda estão de pé no mundo.

Apesar de ter se tornado um ponto turístico bastante popular de Berlim, pelo qual a maioria das pessoas passam muitas vezes sem ver, existem obras na galeria que merecem certa dedicação do olhar. Infelizmente, não é oferecido aos visitantes um material dedicado, com o nome dos artistas e das obras; este talvez seja o preço de frequentar um espaço público, certo?

muro de berlim Foto de Anthony-X do Pixabay

Como gosto muito da ideia da East Side Gallery, optei por morar em Friedrichshain, bairro em que está a galeria. Assim, todas as vezes que caminho entre as “telas no muro” descubro coisas novas. Uma das minhas obras preferidas, e que fez muito mais sentido depois que visitei o Museu do Prado, em Madrid, é a “La Buerlinica”, de Stephan Cacciatore, que faz uma referência direta à obra-prima de Picasso, “La Guernica”. Assim como Picasso, Cacciatore faz um manifesto contra a violência. Ele denuncia o crime contra a humanidade usando um design similar ao de Picasso, e adiciona ao painel as cores da bandeira da Alemanha, como preto, vermelho e amarelo.

Porém, a imagem mais popular é, sem dúvidas, a do artista russo Dmitri Vrubel, intitulada “Meu Deus, ajude-me a sobreviver a este amor mortal”.

O beijo letal de Dmitri Vrubel

A obra de Vrubel foi inspirada na fotografia de Régis Bossu, capturada em 1979, durante a comemoração do 30º aniversário da República Democrática Alemã. Na época, a foto foi veiculada em jornais e revistas de todo o mundo sob o nome “O Beijo”, como a obra na East Side Gallery é conhecida hoje.

beijo socialista

A imagem deste beijo fraterno entre dois camaradas sintetiza o mundo comunista. De um lado, temos o líder soviético Leonid Brejnev, do outro, o então primeiro-ministro da Alemanha Oriental, Erich Honecker. Não seria errado dizer que este quadro é a representação máxima da Guerra Fria e do Bloco Oriental, não por acaso foi parar em um painel no “muro da vergonha”.

O “beijo fraterno” é uma demonstração de camaradagem entre os socialistas, e era especialmente difundido durante o período da Guerra Fria. A origem deste ritual vem da Igreja Ortodoxa Oriental e carrega uma força substancial de expressão.

Claro que, em 1979, o beijo fraterno era uma questão de formalidade e não tinha nenhuma conotação sexual. Porém, é possível notar um certo entusiasmo na demonstração de camaradagem entre Brejnev e Honecker.

A crítica de Vrubel não foi apenas expor a imagem icônica da Guerra Fria na East Side Gallery, mas questionar o que aquele símbolo de afeto representava verdadeiramente naquele cumprimento. Como o artista fez isso? Através das palavras:

Meu Deus, me ajude a sobreviver a este amor mortal.

Mein Gott, hilf mir, diese tödliche Liebe zu überleben.

Entre os significados da palavra tödliche em português estão mortal, fatal e letal. Aqui, Vrubel fala claramente sobre as mortes ocorridas entre 1961 e 1989, quando quase 130 pessoas morreram tentando saltar o muro. Mais do que isso, o muro representou uma cisão da sociedade alemã, a qual podemos sentir até hoje.

Neste oito anos em que vivo em Berlim, volta e meia, me vejo em debates sobre as diferenças entre ter crescido na parte oriental e na parte ocidental da Alemanha. E, por mais que se diga que as diferenças ficaram no passado, é comum escutar “ah, mas eu cresci no lado oriental, eu não penso assim…” ou “ah, mas você mora hoje no lado oriental da cidade, é diferente…”.

Atualmente, a obra “O Beijo” está na sua segunda versão, refeita em 2009, pelo próprio artista.

Crédito das imagens: AP Photo / Corbis

CONHEÇA MAIS SOBRE A ALEMANHA
Author Headshot
Camila Rinaldi
Formada em jornalismo, Camila só encontrou a felicidade mesmo quando descobriu que podia falar sobre tecnologia e viver disso. Ela não acredita que as máquinas vão nos dominar, mas pensa que se não revermos nossa ética, podemos acabar nos dominando com o auxílio das máquinas. Cada vez mais ela entende a importância de beber e comer bem, e quer poder ensinar seu sobrinho sobre espaçonaves e vinis. Siga-a no Twitter @apequenarinaldi ou no Youtube  Camila Rinaldi
Formada em jornalismo, Camila só encontrou a felicidade mesmo quando descobriu que podia falar sobre tecnologia e viver disso. Ela não acredita que as máquinas vão nos dominar, mas pensa que se não revermos nossa ética, podemos acabar nos dominando com o auxílio das máquinas. Cada vez mais ela entende a importância de beber e comer bem, e quer poder ensinar seu sobrinho sobre espaçonaves e vinis. Siga-a no Twitter @apequenarinaldi ou no Youtube  Camila Rinaldi

Artigos recomendados

Os 20 verbos em francês mais comuns

Os 20 verbos em francês mais comuns

Está aprendendo a língua francesa? Listamos aqui os 20 verbos em francês mais usados, com sua conjugação e uso em uma frase. Voilà!
Fantasmas ao redor do mundo: Como diferentes culturas celebram seus mortos

Fantasmas ao redor do mundo: Como diferentes culturas celebram seus mortos

No texto a seguir, além de revisitar algumas tradições do Halloween de sua infância no condado rural de Somerset, na Inglaterra, Megan apresenta curiosidades que aprendeu com seus colegas de trabalho da Babbel.
Escrito Por Megan Toon
7 fobias estranhas que você nunca ouviu nem falar – Edição Halloween

7 fobias estranhas que você nunca ouviu nem falar – Edição Halloween

Elas são reais e elas podem ser um problema real para muitas pessoas que sofrem disso. Leia mais.
Escrito Por Babbel