Sem concentração para estudar? Com estes 10 exercícios de atenção plena, ficará mais fácil aprender um idioma

Tire um tempo para você. Relaxe. Respire. Neste artigo, indicamos os exercícios de atenção plena mais eficazes para que você treine seu cérebro conscientemente.
atenção plena

Aprender um idioma em pouco tempo, sem complicações e de maneira atenta: esse parece ser o sonho de muita gente.  Mas o que fazer quando não conseguimos nos concentrar e vira e mexe nos perdemos em nossos pensamentos? Para esse problema há uma solução: com a ajuda de exercícios práticos de atenção plena, é perfeitamente possível treinar nossa capacidade de aprender novos conteúdos.

Esse tipo de treinamento mental garante uma maior facilidade de concentração e aumenta a eficácia de nosso aprendizado. Quando dedicamos mais atenção à nossa mente e ao nosso corpo, percebemos uma melhora quase que imediata em nossa vida cotidiana. Os exercícios que apresentamos a seguir podem ser facilmente integrados ao seu dia a dia. Aos poucos, você verá como eles ajudam a aumentar sua resistência mental.

Um resumo dos exercícios que podem ajudar a praticar a atenção plena

1. Exercícios de atenção plena no dia a dia

A atenção plena não é indicada apenas para reduzir o estresse, mas também para promover a concentração, para perceber as coisas de modo mais consciente e, assim, ter uma vida mais focada no aqui e agora.

Quando se trata de aprender um idioma, habilidades como concentração e resistência são de grandíssimo valor. Nesse sentido, quanto mais pausas você puder fazer, mais concentração você obterá ao longo da jornada. Além disso, é importante que você mantenha o foco na tarefa que está sendo executada.

Se você estiver descascando batatas, sinta a textura da casca. Se você estiver lavando pratos, perceba a temperatura da água. Conecte-se com todas essas sensações. Quanto mais você se conscientizar desses detalhes no dia a dia, mais seu cérebro se beneficiará. Afinal, o cérebro é como um músculo que precisa ser treinado. Se você passar a se concentrar em apenas uma coisa por vez, descobrirá que aprender vocabulário se tornará uma tarefa bem mais fácil.

2. Pausas frequentes

Pense em algo ou em uma situação que, a partir de agora, terá a função de fazer com que você se lembre de praticar pequenos exercícios de atenção plena. Por exemplo: o sinal vermelho no trânsito ou a fila do supermercado. Toda vez que você se vir nessa situação (ou diante desse objeto), será hora de você tirar uma pausa para você. Como você está se sentindo? Algo está causando estresse? Se sim, relaxe seus ombros. Você se sente como se estivesse o tempo todo correndo de um lado para o outro? Se sim, permita-se contemplar o céu ou as árvores por um minuto. Tudo aquilo que faz com que você se conecte ao presente funciona como um bálsamo para o seu cérebro, permitindo que ele descanse e se recupere. E só um cérebro descansado gosta de aprender.

3. Meditação de atenção plena

Está cientificamente comprovado que a meditação altera as estruturas do nosso cérebro. O segredo está na regularidade. Com o tempo, a meditação de atenção plena ajudará você a encontrar seu foco interior. Isso fará com que você se acalme, relaxe e deixe de lado a propensão a se distrair enquanto estuda. Além disso, você conseguirá se envolver com uma tarefa de forma mais rápida. Nos primeiros dias, dez minutos de meditação são suficientes. Você pode recorrer a um aplicativo, meditar em grupo ou individualmente – a escolha é sua. O mais importante é que esse treinamento mental se torne parte integrante do seu dia a dia.

4. Exercícios de respiração

Nossa respiração é nossa âncora – e garante o transporte de oxigênio para nosso cérebro. Porém, quando nossa cabeça tem muito em que pensar, ou quando enfrentamos uma situação de estresse, muitas vezes nos esqueçamos de respirar de forma adequada. Em vez de calma e profundamente, passamos a respirar de um jeito ofegante. E, como resultado, não conseguimos nos concentrar para aprender. Nosso cérebro precisa de oxigênio para que possamos pensar com clareza.

Breves exercícios de respiração podem nos ajudar. Por exemplo: inspire profundamente por 4 segundos; prenda a respiração por mais 4 segundos; e expire de forma lenta, durante 8 segundos.

Ao fazer com que sua respiração fique mais lenta, você sentirá os benefícios do relaxamento. Esse é o ponto de partida ideal para aprender algo novo e deixar de lutar contra a concentração ao estudar.

5. Ritual do chá

Uma xícara de chá pode fazer maravilhas. Pelo fato de a nossa capacidade de concentração ser limitada, precisamos de pequenas pausas com uma certa regularidade: 15 minutos a cada 90 minutos é a medida ideal. Esse é o tempo perfeito para preparar uma xícara de chá e recuperar a concentração. Recomenda-se tomar chá verde, que ajuda a acalmar os nervos. Um breve ritual do chá é mais um exercício energizante de atenção plena para a mente – tanto faz se pela manhã ou no meio da tarde.

6. Yoga para o corpo e a mente

Praticar exercícios de yoga também pode nos ajudar a encontrar nosso equilíbrio interior. Depois de um longo dia de estudo em sua mesa ou diante de seu computador, fazer algo de bom para seu corpo é uma verdadeira bênção. Inclusive a postura de shavasana, ideal para relaxar, pode ajudar você a se tranquilizar e encontrar equilíbrio. Para executá-la, deite-se no chão com as pernas e os braços estendidos e inspire e expire lentamente. Depois de alguns minutos nessa posição, seus membros irão se recuperar e sua mente ficará fresca novamente, possibilitando a absorção de novas informações com mais facilidade.

7. Exercícios de caminhada atenta

Caminhar é um superpoder – e isso também já foi cientificamente comprovado. Quando nosso corpo está em movimento, temos pensamentos completamente diferentes daqueles que experimentamos quando passamos o dia todo diante de uma tela de computador. O superpoder da caminhada pode ser usado em nosso favor, inclusive para o aprendizado de um idioma. Além de ajudarem nossa mente a se recuperar após uma lição mais complicada, os exercícios de caminhada atenta funcionam como uma fonte de energia. A mudança de visual faz com que nossos olhos fiquem relaxados e nossos sentidos, mais aguçados. Dessa forma, recarregamos as baterias para seguir em frente com novas lições.

8. Acompanhamento do progresso

Você é capaz de se lembrar do que aprendeu nos últimos dias ou semanas? Mensurar nossos pequenos sucessos é um passo muito importante. E isso pode ser feito de várias maneiras: como uma reflexão no fim de semana, com anotações em um caderno à noite antes de dormir, ou mesmo automaticamente com a Babbel. Em nossa plataforma, além de seu progresso ser salvo todos os dias, sua atividade de aprendizado semanal é constantemente monitorada. Dessa forma, você estará sempre ciente de até que ponto chegou com seu aprendizado. O corpo e a mente armazenam esses pequenos sucessos subconscientemente. Assim, você vivenciará um sentimento de gratidão em relação a tudo aquilo que já conquistou – e terá muito mais motivação para continuar aprendendo.

9. Ociosidade ativa como treino mental

Você sabia que não fazer nada com uma certa frequência é crucial para o sucesso do seu aprendizado? Com a vida cada vez mais corrida, temos a tendência de encaixar o máximo possível de atividades em um só dia. Mas não fazer nada é uma arma secreta milagrosa para todas aquelas pessoas que trabalham muito.

Quando nos sentamos em uma poltrona e passamos alguns minutos olhando pela janela, podemos achar que não estamos fazendo nada.  Na verdade, nosso cérebro continua funcionando a toda velocidade, mas com um consumo de cerca de 90% da capacidade de que precisamos quando temos que nos concentrar.

Durante essa breve pausa, conexões importantes são feitas, o que inclusive pode dar origem a ideias brilhantes. É por isso que os lampejos de inspiração costumam vir quando nos afastamos do computador. Após uma lição de vocabulário, essa pausa ajuda nosso cérebro a classificar o conteúdo recém-aprendido. Portanto: permita-se não fazer nada. Trata-se de um exercício ideal quando estamos diante de um daqueles momentos em que não conseguimos mais encontrar concentração. Quem disse que exercícios de atenção plena precisam ser complicados?

10. Respeito ao biorritmo

Cada pessoa tem seu próprio biorritmo, que depende, entre outros fatores, do horário em que ela acorda e vai dormir, de quantas horas de sono ela precisa etc. Nosso biorritmo é decisivo para determinar se a fase mais produtiva do nosso dia será pela manhã ou pela tarde. Uma vez ciente disso, é importante que você reserve esse tempo – ou pelo menos uma parte dele – para você. Este é provavelmente o exercício de atenção plena mais óbvio de todos; mas, também, o mais difícil de implementar. Afinal, para aprendermos de forma eficaz e concentrada, precisamos de um ambiente tranquilo. Portanto, se você conseguir descansar regularmente e se tiver a possibilidade de dividir seu tempo entre o trabalho e o aprendizado de idiomas de forma eficaz, o progresso virá rapidamente… e sem sobrecarregar seu cérebro!


Agora que você já sabe como praticar melhor a atenção plena, leia outros artigos que vão ajudar você na aprendizagem de um novo idioma:

Agora que você já sabe como conseguir melhorar sua atenção plena, é hora de aprender um idioma com a Babbel. Há jogos, podcasts, revisões inteligentes e exercícios em todos os níveis.
EXPERIMENTE AGORA!
Compartilhar: